História de um restauro que pôs a nu um pé escondido sob um manto azul

Duas conservadoras trataram a fundo o tríptico de quase três metros de altura de Pieter Coecke van Aelst que foi emprestado ao Met de Nova Iorque e agora está de volta a casa.

Teresa Serra Moura e Susana Campos passaram um ano com o nariz em cima do tríptico Descida da Cruz, de Pieter Coecke van Aelst. Conservadoras do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) estiveram na linha da frente do restauro da obra, antes de esta partir para o Metropolitan Museum, em Nova Iorque, em outubro do ano passado, no âmbito de uma exposição sobre o trabalho do artista belga. Confirmaram suspeitas e descobriram novos detalhes. Um pé, por exemplo, que há de mudar tudo o que já foi escrito sobre esta peça.

Pormenor da pintura, agora com o pé a descoberto

Outro mistério, maior, seria revelado. "O prolongamento do manto tinha uma textura diferente", diz Teresa, em conversa com o DN. Decidiram com a direção do MNAA retirar a tinta. "É uma responsabilidade. É alterar uma obra de arte", nota Teresa.

Antes do restauro, com o manto a cobrir o que se viria a ser descobrir ser um pé

Leia mais na edição impressa e no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.