Hélia Correia venceu Prémio Camões. "O que faço agora?"

A escritora portuguesa sucede, por unanimidade, a Alberto da Costa e Silva no maior galardão literário da língua portuguesa que já distinguiu Sophia ou o angolano Pepetela.

"O que é que eu faço agora? Estava aqui tão bem quietinha..." Eis a reação de Hélia Correia ao saber-se ontem vencedora do Prémio Camões 2015, segundo o seu companheiro Jaime Rocha. Ou seja, a reação ao saber-se sucessora de José Saramago (Prémio Camões 1995), Sophia de Mello Breyner (1999), Pepetela (1997) ou António Lobo Antunes (2007) no maior galardão que, desde 1989, distingue a criação literária em língua portuguesa.

Jaime Rocha começava por contar que, "com esta chuvinha que passou", Hélia - em relação à qual logo se sente um pudor por perturbar a paz recolhida que lhe conhecemos - se lançou a um novo romance, "que vem com força" nas mãos daquela que, conta ele que a via, "não estava nada à espera" de ser o 11.º autor galardoado, e que "já não estava à espera do [Grande Prémio do Conto] Camilo Castelo Branco", que venceu em maio por Vinte Graus e Outros Contos.

E finalmente Hélia vem ao telefone: "Estas coisas são muito difíceis de pôr em palavras. Não quero parecer arrogante, mal-criada nem mal-agradecida." É autora de uma obra onde o romance, a novela e o conto são senhores por entre a poesia que também compõem a sua obra e, arrisque-se, entram igualmente prosa adentro. A voz é calma, pausada, quase de menina, malgrado os seus 66 anos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.