Hélia Correia dedica Prémio Camões à Grécia

Decorreu hoje a entrega do maior galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Luís de Camões, no Palácio Foz em Lisboa. Hélia Correia dedicou-o à Grécia.

Hélia Correia terminou o discurso de agradecimento do Prémio Luís de Camóes 2015 com um "viva a Grécia", ontem, numa cerimónia em que recebeu a distinção das mãos do Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, e do Ministro da Cultura do Brasil, Juca Ferreira.

Durante o discurso de agradecimento a autora de Bastardia ou Adoecer disse ser uma amante da língua portuguesa: "Amo mais a língua do que a pátria e imagino-me armada a lutar por ela". Falou do poder da economia numa fase em que a palavra "tende a ser esmagada pelos números". E terminou a dedicar o prémio com que foi distinguida à Grécia, país "de onde vem a poesia, sem ela não seríamos nada e sem ela não teríamos nada, viva a Grécia".

Com a publicação de A Terceira Miséria, obra distinguida em 2014 com o prémio Correntes d'Escritas, Hélia Correia quis homenagear a Grécia, destacando "a voz de um país que está a sofrer uma opressão impensável", como afirmou, na altura, durante o festival literário da Póvoa de Varzim.

Quando recebeu este prémio, Hélia Correia recordou os ensinamentos universais da Antiguidade e a sua importância para a atualidade: "Ver tudo o que existia na Grécia clássica, em que tudo era feito pelo homem, para o homem e à medida do homem".

O Prémio Luís de Camões foi atribuído a Hélia Correia no mês passado por unanimidade, em reconhecimento da sua escrita que "revela uma inquieta serenidade", destacou a presidente do júri Rita Marnoto durante a cerimónia. Jorge Barreto Xavier, salientou também o amor da escritora ao que faz na medida em que "ela ama tanto a literatura que para ela ser disintinguida é o mesmo que nós sermos distinguidos por respirar".

O Prémio Camões foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1989 como forma de reconhecer autores "cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento da literatura de língua portuguesa em todo o mundo", de acordo com a organização.

O primeiro distinguido, em 1989, foi o escritor português Miguel Torga.

O júri da 27.ª edição do Prémio Camões contou com Rita Marnoto, professora na Universidade de Coimbra, Pedro Mexia, crítico literário e escritor, Inocência Mata, professora nas universidades de Lisboa e de Macau, e pelos escritores Affonso Romano de Sant'Anna, António Carlos Secchin e Mia Couto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.