Hélia Correia dedica Prémio Camões à Grécia

Decorreu hoje a entrega do maior galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Luís de Camões, no Palácio Foz em Lisboa. Hélia Correia dedicou-o à Grécia.

Hélia Correia terminou o discurso de agradecimento do Prémio Luís de Camóes 2015 com um "viva a Grécia", ontem, numa cerimónia em que recebeu a distinção das mãos do Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, e do Ministro da Cultura do Brasil, Juca Ferreira.

Durante o discurso de agradecimento a autora de Bastardia ou Adoecer disse ser uma amante da língua portuguesa: "Amo mais a língua do que a pátria e imagino-me armada a lutar por ela". Falou do poder da economia numa fase em que a palavra "tende a ser esmagada pelos números". E terminou a dedicar o prémio com que foi distinguida à Grécia, país "de onde vem a poesia, sem ela não seríamos nada e sem ela não teríamos nada, viva a Grécia".

Com a publicação de A Terceira Miséria, obra distinguida em 2014 com o prémio Correntes d'Escritas, Hélia Correia quis homenagear a Grécia, destacando "a voz de um país que está a sofrer uma opressão impensável", como afirmou, na altura, durante o festival literário da Póvoa de Varzim.

Quando recebeu este prémio, Hélia Correia recordou os ensinamentos universais da Antiguidade e a sua importância para a atualidade: "Ver tudo o que existia na Grécia clássica, em que tudo era feito pelo homem, para o homem e à medida do homem".

O Prémio Luís de Camões foi atribuído a Hélia Correia no mês passado por unanimidade, em reconhecimento da sua escrita que "revela uma inquieta serenidade", destacou a presidente do júri Rita Marnoto durante a cerimónia. Jorge Barreto Xavier, salientou também o amor da escritora ao que faz na medida em que "ela ama tanto a literatura que para ela ser disintinguida é o mesmo que nós sermos distinguidos por respirar".

O Prémio Camões foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1989 como forma de reconhecer autores "cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento da literatura de língua portuguesa em todo o mundo", de acordo com a organização.

O primeiro distinguido, em 1989, foi o escritor português Miguel Torga.

O júri da 27.ª edição do Prémio Camões contou com Rita Marnoto, professora na Universidade de Coimbra, Pedro Mexia, crítico literário e escritor, Inocência Mata, professora nas universidades de Lisboa e de Macau, e pelos escritores Affonso Romano de Sant'Anna, António Carlos Secchin e Mia Couto.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.