Heidi: regresso ao paraíso das memórias de infância

Uma nova adaptação de Heidi chega agora ao grande ecrã. O ator Bruno Ganz interpreta o avô rabugento da pequena que provocou lágrimas e sorrisos em todo o mundo

"Uma história para crianças e para aqueles que gostam de crianças." Através deste subtítulo, que consta no livro Heidi, a escritora suíça Johanna Spyri (1827-1901) definia os seus potenciais leitores. Não poderia adivinhar o êxito que a sua menina dos Alpes ia ter para lá dessas páginas e pelo mundo fora, em grande parte com a ajuda do cinema e da televisão. Por se ter tornado um enorme clássico universal, pedem as boas práticas culturais que, de quando em vez, se revisite esta narrativa - como se diz - de fazer chorar as pedras da calçada.

Assim pensou o suíço Alain Gsponer, realizador da mais recente adaptação do romance de Spyri, que chegou ontem às salas portuguesas, em versão dobrada. O ator Bruno Ganz, que esteve em Lisboa no Lisbon & Estoril Film Festival, em novembro, é o nome maior do elenco desta produção germano-suíça, no papel do avô de Heidi.

A lenda no cinema

Heidi vem conquistando o grande ecrã desde 1920, ou seja, desde o cinema mudo, e passou por versões mais memoráveis do que outras, como a de 1937, protagonizada pela eterna criança do cinema, Shirley Temple, ou a de 1952, de Luigi Comencini, cuja atriz Elsbeth Sigmund - considerada uma das melhores interpretações de todos os tempos - não continuou a carreira para além desse papel.

Anuk Steffen, aos 10 anos, é o novo rosto jubiloso de Heidi, a menina órfã que chegou pela mão da tia à casa do avô, situada nos Alpes, para que este cuidasse dela. Sempre alegre, indiferente ao humor do velho misantropo, Heidi aproveita a liberdade que lhe oferece a sublime paisagem e corre pelos vales e colinas como uma ave entre as nuvens. É nessa ávida e constante relação com a natureza que ela se define.

Todos conhecem o resto da história: um dia aparece outro menino, Pedro, um pastor que se tornará o seu melhor amigo, mas logo o percurso se inverte, e Heidi será levada, de novo pela mão da tia, para Frankfurt. Aí ficará numa casa muito rica, para receber educação e fazer companhia a Clara, que também é órfã de mãe, e desde a sua morte ficou presa a uma cadeira de rodas.

Naturalmente, ninguém é insensível (exceto a precetora) ao sorriso contagiante de Heidi, e Clara ganha uma amiga incomparável. Mas as saudades dos Alpes e do avô apertam demasiado... até o regresso se concretizar.

Heidi para todas as gerações

O filme de Gsponer, segundo a ideia que o próprio transmitiu, procura tirar algum excesso de romantismo à imagem que se criou, mostrando que não se trata apenas de um universo acolhedor - as pessoas na Suíça daquele tempo (séc. XIX) passavam fome, levavam uma existência penosa e eram votadas ao isolamento, pelas más-línguas.

Assistimos a tudo isso na passagem de Heidi pela aldeia, no sopé das montanhas, e no modo de vida do avô. É, portanto, um filme que dá às novas gerações um modelo o mais aproximado possível do ambiente social do livro de Spyri, sem descurar toda a energia pueril que define o comportamento de Heidi, de olhos postos na natureza infinita. Essa que é outra grande personagem.

Numa altura em que as crianças estão presas a todo o tipo de ecrãs, desconhecedoras da vida rural, Heidi é uma narrativa bucólica, onde se é feliz na simplicidade da montanha, por entre pequenas maravilhas. E é também um desafio de consciência ecológica. Uma história para todos os tempos e para diferentes culturas, um clássico dos pais, agora para os filhos. Com mais ou menos lágrimas, esta menina não descansou o sorriso e o entusiasmo, desde que nasceu, há 137 anos, através da pena de Johanna Spyri.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.