"Hamilton": o musical com 16 nomeações aos Tony

Os prémios do teatro serão entregues no próximo dia 12

Michelle Obama disse sobre este musical: "é a melhor obra de arte, de qualquer tipo de obra de arte, que vi na minha vida". Hamilton, que se estreou em 2015 na Broadway, conta a história de Alexander Hamilton, um dos fundadores dos Estados Unidos da América, mas, mais do que isso, é sobre as origens e as aspirações da América e depois de ter sido a peça mais falada ao longo do último ano conseguiu a proeza de ter sido nomeada para 16 prémios Tony - Um recorde, ultrapassando as 15 nomeações de The Producers (2001) e Billy Elliot (2009). Os prémios serão entregues no próximo dia 12.

Lin-Manuel Miranda é o responsável por este sucesso. Foi ele que, enquanto estava de férias de um outro musical bastante popular, In The Heights, aproveitou para ler a biografia que Ron Chernow escreveu sobre Alexander Hamilton e que, depois de terminar o livro, decidiu que tinha de contar aquela história num palco. Isto aconteceu em 2009 e, de então para cá, Miranda dedicou-se por completo ao projeto. Além de ser o autor e compositor da música ao ritmo do hip hop, Miranda, porto-riquenho de 36 anos, interpreta também o papel principal. Este ano, já ganhou o Prémio Pulitzer de Drama pela peça e ainda um Grammy para Melhor Álbum de Música para Teatro.

Já depois de ter sabido das nomeações, Lin-Manuel Miranda anunciou que vai deixar o espetáculo a 9 de julho para se dedicar a outros projetos. Entre eles, está uma nova versão para cinema de Mary Poppins, projeto da Disney com a atriz Emily Blunt. Além disso, Miranda está a fazer a banda sonora para uma nova animação da Disney, Moana (estreia em novembro), e também estará envolvido na adaptação do musical The Heights ao cinema. Parece que depois de conquistar a Broadway, está a pensar conquistar Hollywood.
Enquanto não se sabe quem é vai ser o novo ator de Hamilton, os olhos estão postos na cerimónia dos Tony. Apesar de ser o favorito, é pouco provável que o espetáculo ultrapasse o recorde de The Producers que levou para casas 12 prémios, uma vez que Hamilton está duplamente nomeado em algumas categorias, por exemplo com atores do elenco a competirem uns com os outros (na categoria de ator secundários há três).

Para além do favorito, há muitos outros espetáculos com aspirações nestes prémios. Só na categoria de musical encontramos, por exemplo, School of Rock, uma adaptação do popular filme de Jack Black com assinatura do veterano Andrew Lloyd Webber que andava afastado da Broadway, e Shuffle Along, que viaja até ao anos de 1921 e ao nascimento dos musicais, que é também uma maneira de falar da diversidade dos EUA. Shuffle Along, que tem sido um dos grandes sucessos da temporada, conseguiu 10 nomeações. O produtor ainda tentou que o espetáculo não entrasse na categoria musical para não ter que se bater com Hamilton e assim ter mais hipóteses de ganhar, mas não o seu pedido foi atendido.

A cerimónia de entrega dos prémios realiza-se no próximo domingo em Nova Iorque e será apresentada James Corden. Cate Blanchett, Steve Martin, Barbara Streisand e Oprah Winnfrey são algumas das figuras convidadas para entregar os prémios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.