"Hamilton": o musical com 16 nomeações aos Tony

Os prémios do teatro serão entregues no próximo dia 12

Michelle Obama disse sobre este musical: "é a melhor obra de arte, de qualquer tipo de obra de arte, que vi na minha vida". Hamilton, que se estreou em 2015 na Broadway, conta a história de Alexander Hamilton, um dos fundadores dos Estados Unidos da América, mas, mais do que isso, é sobre as origens e as aspirações da América e depois de ter sido a peça mais falada ao longo do último ano conseguiu a proeza de ter sido nomeada para 16 prémios Tony - Um recorde, ultrapassando as 15 nomeações de The Producers (2001) e Billy Elliot (2009). Os prémios serão entregues no próximo dia 12.

Lin-Manuel Miranda é o responsável por este sucesso. Foi ele que, enquanto estava de férias de um outro musical bastante popular, In The Heights, aproveitou para ler a biografia que Ron Chernow escreveu sobre Alexander Hamilton e que, depois de terminar o livro, decidiu que tinha de contar aquela história num palco. Isto aconteceu em 2009 e, de então para cá, Miranda dedicou-se por completo ao projeto. Além de ser o autor e compositor da música ao ritmo do hip hop, Miranda, porto-riquenho de 36 anos, interpreta também o papel principal. Este ano, já ganhou o Prémio Pulitzer de Drama pela peça e ainda um Grammy para Melhor Álbum de Música para Teatro.

Já depois de ter sabido das nomeações, Lin-Manuel Miranda anunciou que vai deixar o espetáculo a 9 de julho para se dedicar a outros projetos. Entre eles, está uma nova versão para cinema de Mary Poppins, projeto da Disney com a atriz Emily Blunt. Além disso, Miranda está a fazer a banda sonora para uma nova animação da Disney, Moana (estreia em novembro), e também estará envolvido na adaptação do musical The Heights ao cinema. Parece que depois de conquistar a Broadway, está a pensar conquistar Hollywood.
Enquanto não se sabe quem é vai ser o novo ator de Hamilton, os olhos estão postos na cerimónia dos Tony. Apesar de ser o favorito, é pouco provável que o espetáculo ultrapasse o recorde de The Producers que levou para casas 12 prémios, uma vez que Hamilton está duplamente nomeado em algumas categorias, por exemplo com atores do elenco a competirem uns com os outros (na categoria de ator secundários há três).

Para além do favorito, há muitos outros espetáculos com aspirações nestes prémios. Só na categoria de musical encontramos, por exemplo, School of Rock, uma adaptação do popular filme de Jack Black com assinatura do veterano Andrew Lloyd Webber que andava afastado da Broadway, e Shuffle Along, que viaja até ao anos de 1921 e ao nascimento dos musicais, que é também uma maneira de falar da diversidade dos EUA. Shuffle Along, que tem sido um dos grandes sucessos da temporada, conseguiu 10 nomeações. O produtor ainda tentou que o espetáculo não entrasse na categoria musical para não ter que se bater com Hamilton e assim ter mais hipóteses de ganhar, mas não o seu pedido foi atendido.

A cerimónia de entrega dos prémios realiza-se no próximo domingo em Nova Iorque e será apresentada James Corden. Cate Blanchett, Steve Martin, Barbara Streisand e Oprah Winnfrey são algumas das figuras convidadas para entregar os prémios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.