Há mais museus portugueses que todo o mundo pode visitar virtualmente

O Museu Calouste Gulbenkian e mais exposições do Museu São Roque estão entre as novas mil ofertas do Google Cultural Institute, que esta quinta-feira celebrou cinco anos

Ao comemorar cinco anos, o Google Cultural Institute, que nos permite, em qualquer ponto do mundo, visitar "As Maravilhas do Machu Picchu", no Peru, ou o British Museum, em Londres, incluiu novos museus e instituições de todo o mundo, novas coleções de imagens em Street View e novas imagens em gigapixel (enorme resolução).

A nova expansão da plataforma que começou com uma parceria de 17 museus e agora conta exposições ou obras de mil instituições, incluiu Portugal, de que agora fazem parte o Museu Gulbenkian, novas obras do Museu de São Roque e três novas exposições da Universidade do Porto. Atualmente, cem museus internacionais trabalham ainda para integrar as suas coleções no Google Cultural Institute.

A plataforma começou com 17 museus, hoje conta mil

A exposição do Museu Calouste Gulbenkian que agora pode ser vista em qualquer ponto do mundo conta com quadros de Rubens, Anton van Dyck, Henri Fantin-Latour, Édouard Manet ou Pierre-Auguste Renoir, e artefactos, obras e objetos do antigo Egito - como uma máscara funerária -, da Pérsia ou da Grécia antiga.

O Museu de São Roque, que já estava presente na coleção do Google Cultural Institute, tem três novas exposições: a Capela de São João Baptista e o seu tesouro, que conta com um conjunto de paramentos litúrgicos, missais; "A Vida de São Francisco Xavier" composta pela Sacristia de São Roque, importante simbólica e artisticamente por ser uma das primeiras sacristias construídas pela Companhia de Jesus e "As relíquias e os relicários de São Roque", maioritariamente doados também pela Companhia nos séculos XIV e XVII.

Quanto à Universidade do Porto, é agora possível percorrer as artes tradicionais portuguesas através da sua mostra da renda de bilros ou da arte sineira. A isto acresce uma aplicação para telemóvel, que tal como as outras exposições é bilingue, e permite visitar várias exposições virtuais criadas pelos estudantes da universidade.

O património português estende-se assim na plataforma que agora permite também descer a em Street View a rotunda do Museu Guggenheim de Nova Iorque, EUA, ou visitar o Palácio do Parlamento da Roménia, em Bucareste.

Outra das novas ofertas do Google Cultural Institute é a possibilidade de ver em gigapixel as pinturas de Claude Monet que integram a coleção do Young Museum, em São Francisco, EUA, e das quais conseguimos assim ver os pormenores de cada pincelada.

No comunicado que dava conta do alargamento do acervo, o diretor do Google Cultural Institute, Amit Sood, afirmava: "As visitas virtuais não substituem as visitas reais aos espaços, mas a tecnologia pode abrir novos horizontes e incrementar o conhecimento pela cultura a todas as pessoas, o que se transforma em algo realmente poderoso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.