Guadagnino, o erotismo e a erudição

Chama-Me pelo Teu Nome é uma história de amor contada com grande sensibilidade moderna mas imbuída de classicismo

Quão bela pode ser a imagem de alguém com um pêssego na mão, entre a dúvida da primeira dentada e o gozo do seu toque aveludado? A pergunta não é tão extravagante quanto possa parecer, embora a cena que a justifique seja mais complexa do que se pode imaginar. Num filme de Luca Guadagnino somos convidados a saborear imagens como esta, na textura de momentos em que o prazer e uma angústia suave atravessam as personagens. E se quisermos ainda estender a metáfora do pêssego ao todo, é possível conceber Chama-Me pelo Teu Nome como um filme que se dá a provar voluptuosamente ao espectador, até ao miolo. Sem pressas e com uma refinada disposição narrativa.

Depois de Mergulho Profundo (2015), o ócio do verão volta a ser cenário dramático para o realizador italiano: corpos seminus ao sol, muitos banhos em piscinas e lagoas, conversas espontâneas e olhares que procuram traduzir-se mutuamente a toda a hora. Nessa malha de seduções, a maior de todas acontece entre um jovem chamado Elio (filho de um casal de professores) e um homem mais velho chamado Oliver (assistente do pai de Elio). Tudo se passa no Norte de Itália, década de 1980, numa casa onde se fala inglês, francês e italiano, numa fluida atmosfera linguística que nos envolve como um braço que puxa para dançar. De Heidegger a Bach, muita é a erudição que se combina com a particularidade doméstica, fazendo dos livros e do próprio ato da leitura uma sofisticada sugestão erótica.

Guadagnino estabelece deste modo uma correspondência entre a sabedoria e os impulsos do corpo, que só favorece a beleza do romance tácito, à espera do momento em que a pele fala mais alto E, justamente, essa espécie de sensualidade helénica - cuja comparação somos levados a fazer diversas vezes, dada a abundância de referências classicistas do filme - é transferida das estátuas para os corpos masculinos, como moldes de um ideal que já não diz respeito ao físico mas à alma. Veja-se aquela cena em que Elio (Chalamet) toca piano para Oliver (Hammer): é o corpo escultural do segundo, numa insinuante pose de estátua grega, que vislumbramos ao fundo da sala, enquanto aprecia Elio a tocar. Sobretudo, é a perfeição do encontro destas duas almas que interessa a Guadagnino, partilha, aliás, assinalada no título Chama-Me pelo Teu Nome, que poderá evocar o mito da alma gémea com que Platão define o amor n"O Banquete.

Naturalmente, perguntar-se-ão se o filme de Guadagnino não vem mexer com questões que estão na ordem do dia. Tirem-se as dúvidas: não é essa a lógica que o guia. Tal como os pais de Elio, e em particular na voz do pai (Michael Stuhlbarg), o realizador não problematiza o romance que nos dá a ver. É somente a expressão do amor que lhe interessa, na sua infinita graciosidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)