Guadagnino, o erotismo e a erudição

Chama-Me pelo Teu Nome é uma história de amor contada com grande sensibilidade moderna mas imbuída de classicismo

Quão bela pode ser a imagem de alguém com um pêssego na mão, entre a dúvida da primeira dentada e o gozo do seu toque aveludado? A pergunta não é tão extravagante quanto possa parecer, embora a cena que a justifique seja mais complexa do que se pode imaginar. Num filme de Luca Guadagnino somos convidados a saborear imagens como esta, na textura de momentos em que o prazer e uma angústia suave atravessam as personagens. E se quisermos ainda estender a metáfora do pêssego ao todo, é possível conceber Chama-Me pelo Teu Nome como um filme que se dá a provar voluptuosamente ao espectador, até ao miolo. Sem pressas e com uma refinada disposição narrativa.

Depois de Mergulho Profundo (2015), o ócio do verão volta a ser cenário dramático para o realizador italiano: corpos seminus ao sol, muitos banhos em piscinas e lagoas, conversas espontâneas e olhares que procuram traduzir-se mutuamente a toda a hora. Nessa malha de seduções, a maior de todas acontece entre um jovem chamado Elio (filho de um casal de professores) e um homem mais velho chamado Oliver (assistente do pai de Elio). Tudo se passa no Norte de Itália, década de 1980, numa casa onde se fala inglês, francês e italiano, numa fluida atmosfera linguística que nos envolve como um braço que puxa para dançar. De Heidegger a Bach, muita é a erudição que se combina com a particularidade doméstica, fazendo dos livros e do próprio ato da leitura uma sofisticada sugestão erótica.

Guadagnino estabelece deste modo uma correspondência entre a sabedoria e os impulsos do corpo, que só favorece a beleza do romance tácito, à espera do momento em que a pele fala mais alto E, justamente, essa espécie de sensualidade helénica - cuja comparação somos levados a fazer diversas vezes, dada a abundância de referências classicistas do filme - é transferida das estátuas para os corpos masculinos, como moldes de um ideal que já não diz respeito ao físico mas à alma. Veja-se aquela cena em que Elio (Chalamet) toca piano para Oliver (Hammer): é o corpo escultural do segundo, numa insinuante pose de estátua grega, que vislumbramos ao fundo da sala, enquanto aprecia Elio a tocar. Sobretudo, é a perfeição do encontro destas duas almas que interessa a Guadagnino, partilha, aliás, assinalada no título Chama-Me pelo Teu Nome, que poderá evocar o mito da alma gémea com que Platão define o amor n"O Banquete.

Naturalmente, perguntar-se-ão se o filme de Guadagnino não vem mexer com questões que estão na ordem do dia. Tirem-se as dúvidas: não é essa a lógica que o guia. Tal como os pais de Elio, e em particular na voz do pai (Michael Stuhlbarg), o realizador não problematiza o romance que nos dá a ver. É somente a expressão do amor que lhe interessa, na sua infinita graciosidade.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.