Grandes Pintores: tudo o que não sabias que querias saber

Os amigos Índigo e Violeta conduzem-nos pela segunda série de Grandes Pintores, atravessando a vida e obra de dez mestres, de Monet a Modigliani, todos os domingos, até 27 de maio, com o DN

"Sabias que a tela de Monet Mulheres no Jardim "era tão grande que Monet teve de construir uma vala para poder enterrar a parte inferior e conseguir pintar a parte de cima"? Ou que o nome "impressionistas", um dos mais importantes grupos da história da arte, veio de um comentário depreciativo de um jornalista ao quadro de Monet Impressão, Nascer do Sol ? E que ele tinha uma tia pintora? Aí está uma afinidade entre o artista e Isabel Zambujal, a autora que já contou as histórias de Grande Pintores numa primeira série, e que regressa amanhã com um novo grupo de mestres, inaugurado por Monet: de Klimt a Degas, Goya, Bosch ou Modigliani. "O meu tio e padrinho, Francisco Zambujal, tinha alma de artista. Era um dos extraordinários caricaturistas que colaborava com o jornal A Bola. No tempo de férias, ficava fascinada a vê-lo desenhar e pintar e, apesar de ser professor e de gostar muito de ensinar, nunca conseguiu melhorar a minha inaptidão para o desenho. Talvez este seja um dos motivos por eu admirar tanto o trabalho dos ilustradores", escreve ao DN a autora que, ao longo destes dez volumes partilha as páginas com diferentes ilustradores, de Sandra Serra a Gonçalo Viana, Carla Nazareth, ou Francesc Grimalt.

Tudo começa com um desenho de Índigo, a sua amiga Violeta já o sabe. "Quando ele, sem se aperceber, dava uma pincelada parecida com um quadro famoso, Zás, Pumba, Catrapumba! Lá iam eles para a vida de um artista." E é pela mão deles que vemos Gustav Klimt entre os seus sete irmãos - já agora, diz-nos o livro, sabias que "Klimt se inspirou na sua história de amor com Emilie Flöge para pintar O Beijo? Nunca se casaram, mas estiveram juntos durante vinte e sete anos". Vemos Michelangelo, de "ombros tão largos e braços tão fortes", afinal, diz Índigo a Violeta: "Só para a estátua de "David", ele trabalhou um bloco de mármore com mais de 5 metros de altura". Lá está também Degas sentado com a bebida que figuraria depois na sua obra O Absinto.

"Os miúdos gostam de saber factos com os quais se identificam, como a profissão dos pais, o número de irmãos, as escolas que frequentaram, os países que conheceram. Mas também têm curiosidade em aprender as histórias por detrás de cada obra, como, por exemplo, de onde veio a inspiração ou em que museu podem ver as exposições de determinado pintor. Quando escrevo para crianças, tento pôr-me na pele dos miúdos, sabendo que eles são grandes apreciadores da simplicidade, da imaginação e da diversão, mas tenho também a preocupação de não infantilizar a escrita.", explica a autora de livros como A Menina que Sorria a Dormir, ou 101 Coisas que Devias Fazer Antes de Crescer .

A pesquisa relativa à vida dos pintores é feita através de fontes "diversas, desde coleções de pintura, jornais, vídeos, documentários, programas de televisão ou informações credíveis da internet". Através disso é criado uma espécie de mapa onde somos conduzidos pelas duas crianças, às vezes por caminhos mais sensíveis. "Como todos sabemos, a vida de muitos artista foi bastante cruel e dramática. Procuro, por isso, informá-los de uma forma que não seja violenta. Penso que é desnecessário contar-lhes que a mulher de Modigliani se atirou grávida de uma janela, poucos dias depois de o marido morrer, digo-lhes apenas que morreu por amor."

Além da história, o livro traz jogos, um quiz, uma lição de desenho, um "Sabias que..." e um convite para ir a um museu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.