Coleção de fotografia do Novo Banco vai para Coimbra

O secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, disse neste sábado, em Coimbra, que a coleção de fotografia do Novo Banco ficará instalada no Convento São Francisco

"Sei que a Coleção de Fotografia [Contemporânea] do Novo Banco", com origem na coleção do antigo BES (Banco Espírito Santo), "virá para o Convento São Francisco", em Coimbra, afirmou Miguel Honrado, que falava à agência Lusa, hoje, naquela cidade, à margem de uma visita ao Centro de Artes Visuais (CAV)/Encontro de Fotografia.

O presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, revelou, na segunda-feira, 05 de fevereiro, durante a reunião do executivo municipal, que as negociações para a Coleção de Fotografia Contemporânea do Novo Banco ficar exposta, a título definitivo, em Coimbra, estavam "bem encaminhadas".

O património fotográfico do Novo Banco, que tem figurado entre as melhores coleções empresariais do mundo e que está avaliado em "20 milhões de euros ou mesmo num valor superior", será depositado, se "as negociações chegarem a bom termo", no Convento São Francisco, acrescentou então o autarca.

Reunindo cerca de mil peças de perto de três centenas de artistas, incluindo muitos dos mais prestigiados fotógrafos internacionais contemporâneos, a Coleção de Fotografia inclui obras de artistas como Jeff Wall, Cindy Sherman, Wolfgang Tillmans, Robert Frank, Christian Boltanski, John Baldessari, Thomas Struth, Candida Höfe, Willie Doherty, Irving Penn, Stan Douglas, Vik Muniz, Nan Goldin, Helena Almeida, Vasco Araújo, Daniel Blaufuks, Filipa César, Adriana Molder, Jorge Molder, Paulo Nozolino, Pedro Paiva e João Maria Gusmão, João Tabarra e Gérard Castello-Lopes, entre outros, de diferentes gerações e nacionalidades.

A instalação deste espólio em Coimbra insere-se no protocolo que, em 29 de janeiro deste ano, o Ministério da Cultura assinou com o Novo Banco para disponibilizar, à fruição pública, o seu património cultural e artístico, que reúne pintura, fotografia, numismática e uma biblioteca.

A Coleção de Fotografia Contemporânea do Novo Banco vai ficar exposta de forma definitiva num espaço fora de Lisboa ou do Porto, "porque há outras cidades" para além destas, disse, na sessão de formalização do protocolo, o primeiro-ministro, António Costa, sem adiantar qualquer cidade.

O património cultural e artístico do Novo Banco inclui a Coleção de Pintura, com cerca de cem quadros do século XVII ao século XX, a Biblioteca de Estudos Humanísticos de Pina Martins, que está à guarda da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a Coleção de Numismática, e a Coleção de Fotografia, que o presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, qualificou como "a joia da coroa".

Questionado pela agência Lusa, à margem da sessão de 29 de janeiro, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, disse, então, que, relativamente à Coleção de Pintura, a palavra de ordem é "descentralização" e que cada quadro "irá para o museu com que tiver mais afinidade, e em que se enquadre melhor".

Sobre a coleção de pintura, o secretário de Estado Miguel Honrado disse que esse "é um dossiê que tem sido acompanhado" pelo gabinete do ministro da Cultura e sobre o qual apenas sabe que "de facto houve essa intenção de descentralização", mas em relação à qual não pode "dizer mais nada".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.