Gisela João: "Com a cabeça e as mãos no coração das pessoas"

Gisela João já tinha esgotado o CCB, em Lisboa, e a Casa da Música, no Porto, em janeiro de 2014. Passado um ano decidiu enfrentar um desafio maior: os palcos dos coliseus. Para esta estreia promete uma mão cheia de novas canções.

Natural de Barcelos, Gisela João é um dos mais recentes casos de sucesso no meio do fado. Chegou sem complexos, ora cantando numa tradicional casa de fados, ora subindo ao palco da discoteca Lux para cantar com o produtor Nicolas Jaar ou com o grupo Linda Martini. O seu primeiro álbum, homónimo (2013), foi amplamente aplaudido pelo público e pela crítica. Desde então trilhou um percurso no fado que dispensa comparações a outras vozes. Agora chega aos coliseus do Porto e de Lisboa, onde vai apresentar as novas canções que tem vindo a preparar para esta estreia.

Como estão a correr os preparativos para a sua estreia em salas tão importantes como os coliseus do Porto e de Lisboa, a 23 e 31 de janeiro, respetivamente?

Com os nervos em bico, é o que posso dizer. Aquilo é mesmo grande. Fico muito nervosa. Às vezes consigo acalmar-me, mas a maior parte do tempo tem sido de muito nervosismo. Saiu o meu disco, depois andei este tempo todo a dar concertos, fiz a Casa da Música [no Porto], CCB [em Lisboa]. Naquela altura ainda fazia sentido apresentar só aquele disco, mas agora com estes concertos sinto que devia dar algo mais e diferente às pessoas. Decidimos todos andar com isto para a frente, mas com isso vem de novo todo o medo de ser a primeira vez que estou a mostrar coisas novas, a tentar fazer algo diferente e isso faz-me sentir um peso ainda maior nas costas.

Partiu de si a ideia de ir aos coliseus agora ou recebeu uma proposta?

Aconteceu a meio do verão [do ano passado]. O Hélder [Moutinho, fadista e agente de Gisela João] mandou-me um e-mail no qual escreveu: "Vamos fazer os coliseus". Eu nem respondi, só pensei: "Since-ramente, que estupidez". Passado um ou dois dias ele insiste e eu: "Mas estás a falar a sério? Estás maluco". Depois liguei ao Frederico [Pereira], que é o meu produtor e braço direito e falei-lhe disto e ele achou muito bem. Fiquei mesmo surpreendida. Aproveitei e perguntei a umas amigas e elas ficaram super felizes e só diziam que estava mais do que na hora.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.