Germano Almeida vence Prémio Camões

O júri escolheu o cabo-verdiano como o autor que recebe o galardão da 30.ª edição do Prémio Camões.

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida é o vencedor do Prémio Camões. O Prémio Camões é o mais importante da literatura e pretende destacar um autor de língua portuguesa pelo conjunto da sua obra e o seu anúncio foi feito pelo ministro da Cultura português, Luís Filipe Castro Mendes.

O júri do prémio foi composto por Manuel Frias Martins, Leyla Perrone Martins, José Luís Jobim, Ana Paula Tavares e José Luís Tavares.

Germano Almeida tem vasta obra publicada em Portugal pela Editorial Caminho, bem como no Brasil, Itália, Alemanha Suécia, Dinamarca e Noruega, e é dos mais importantes autores de Cabo Verde.

O Prémio Camões foi criado em 1988 pelos governos de Portugal e do Brasil para desenvolver os laços culturais entre toda a comunidade lusófona, pelo que a este evento se associam os outros Estados de língua oficial portuguesa.

O DN entrevistou o autor em 2014, a propósito do lançamento do livro Do Monte Cara Vê-se o Mundo.

Já receberam a distinção os portugueses Miguel Torga, Vergílio Ferreira, José Saramago, Eduardo Lourenço, Sophia de Mello Breyner, Eugénio de Andrade, Maria Velho da Costa, Agustina Bessa-Luís, António Lobo Antunes, Manuel António Pina, Hélia Correia e Manuel Alegre; os brasileiros João Cabral de Mello Neto, Autran Dourado, Rachel de Queiroz, Jorge Amado, António Cândido, Rubem Fonseca, Lygia Fagundes Telles, João Ubaldo Ribeiro, Ferreira Gullar, Dalton Trevisan, Alberto Costa e Silva e Raduan Nassar; os angolanos Pepetela e Luandino Vieira; o caboverdiano Arménio Vieira e os moçambicanos José Craveirinha e Mia Couto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.