Gabriela Albergaria tem uma parede só dela na feira ARCO

A artista Gabriela Albergaria mostra peças inéditas no espaço de Vera Cortês na feira de arte que hoje abre as portas na Cordoaria Nacional. Há novas galerias entre as 68 presentes.

"É uma transposição do que se estava a passar nos estúdio nos últimos meses", explica Gabriela Albergaria (1965), sobre as peças da sua autoria que a partir de hoje se podem ver numa das paredes brancas do espaço de Vera Cortês na ARCO Lisboa, na Cordoaria Nacional. "Normalmente, a Vera dá uma parede maior a um artista, este ano calhou-me a mim, como tenho uma parede muito semelhante, ia fazendo as peças e ia colocando na parede. Quatro que se relacionam e mais três que são independentes, mas com as quais crio relação de leitura". Sete obras.

Na véspera da inauguração, a artista preparava a apresentação das peças. As mais recentes resultam de um trabalho feito a partir de uma folha de palmeira do Parque Burle Marx, em São Paulo. "Trouxe em 2016 uma folha e comecei a fazer uma espécie de diário da alteração das cores da palmeira. Quando ela estava mais verde, até esta agora...", diz mostrando a mais amarelecida. "São peças sobre o tempo", explica.

A peça central é uma espécie de tear em que vão passando as amostras de cor de palmeira pela qual o tempo passou. Registam as cores da passagem do tempo sobre a natureza fazendo um degradé, que há de terminar no vazio, mas deixando à vista os fios. É o trabalho de uma artista que viveu em Nova Iorque e se mudou há um ano para Londres, que prefere as cidades ao campo. "Não me interessa a jardinagem", sublinha. "Mas todas resultam de visitas. A passagem pelo Burle Marx, pelo Jardim Botânico de Brooklyn", diz a artista retomando o trabalho na parede da galeria.

Vera Cortês é uma das galerias portuguesas que está representada na ARCO Lisboa, a Feira Internacional de Arte Contemporânea, subsidiária da homónima espanhola. São 72 ao todo, "20% mais" do que há um ano, afirma o diretor, Carlos Urroz. 60 nacionais e internacionais escolhidas pelo comité organizador. Doze outras encontram-se na secção Opening para espaços com menos de sete anos. Quatro são portuguesas: Balcony, Francisco Fino, Madragoa, Pedro Alfacinha e Hawaii Lisbon. As restantes são de Barcelona, Varsóvia, Londres, Haia, Berlim e Roma. João Laia é o comissário nos bastidores destas escolhas.

"Reativou-se o mercado local", avalia Urroz explicando que aumentaram o número de compradores estrangeiros. "Há peças que se trazem porque vem o MAAT ou Serralves". "Não trazemos nada vendido, mas há muito relação das galerias com os colecionadores", explica o diretor, acrescentando que aumentou em 35% a 40% o número de artistas interessados em participar na ARCO Lisboa.

Uma das novidades em 2018 é o espaço de projetos que reúne trabalhos de dez artistas (ver caixa). "Não tem a ver com a geografia ou com a idade, é por não se terem visto nestas circunstâncias", diz Carlos Urroz. Está, por exemplo, Ester Ferrer, uma artista com mais de quatro décadas de trabalho, pioneira da performance em Espanha e ligada ao movimento Zaj. Estes trabalhos podem ser vistos numa sala da Cordoaria a que se acede no pátio.

E é no pátio que está a instalação criada por João Quintela e Tim Simon, vencedores de um projeto da Trienal de Arquitetura. A dupla criou uma zona de restauração aproveitando esse espaço longitudinal e estreito para criar uma estrutura negra com panos que lembram as velas das caravelas cujas cordas se construíam as cordas. "Quisemos trabalhar a escala pessoal, do restaurante, a pública, da esplanada, e a monumental, de uma estrutura que se vê de fora" , explica o arquiteto João Quintela. E apesar de esta não ser uma obra artística recebe a intervenção de um artista. Carlos Nogueira criou um mastro de bandeira dourado.

Artistas a solo com dez projetos especiais

A edição deste ano recebe dez novos artistas que assim têm a oportunidade de mostrar o seu trabalho a solo. Oriundos de dez galerias, eles são: o português Miguel Januário, representando a Underdogs; o alemão Stephan Balkenhol, pela galeria barcelonesa Senda; o peruano José Carlos Martinat, em nome da Revolver, de Lima; a sul-africana a viver em Londres Selma Parlour, pela galeria britânica Pi Artworks; Sandra Gamarra, da madrilena Juana de Aizpuru; Nuno-Nunes Ferreira, da galeria de Santander Juan Silió; o madrileno Nacho Martín Silva, da José de La Fuente; Fernanda Fragateiro, da galeria Elba Benítez; a portuguesa com background angolano Mónica de Miranda, da galeria Carlos Carvalho; e Esther Ferrer, pela Ángels Barcelona, em Espanha.

Ler mais

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.