Frozen será um musical da Broadway

Se achou que as crianças finalmente parariam de cantar Let it Go (Já Passou), estava enganado. Elsa, a rainha da neve, volta numa produção americana com estreia marcada para a primavera de 2018

A Disney anunciou nesta terça-feira que Frozen, filme de 2013, dará origem a um musical da Broadway, que estreará na primavera de 2018. Ainda no verão de 2017, haverá uma apresentação do musical em palcos cujos nomes ainda não foram divulagados.

A história da rainha Elsa, com a icónica canção Let It Go (Já Passou na versão portuguesa), torna-se então no nono musical que a Disney leva à Broadway, sediada em Nova Iorque.

The Lion King (1994), O Rei Leão, musical que estreou em 1997 e continua em cena - a par de Aladdin (Aladino) - foi um desses maiores sucessos.

A equipa de autores será a mesma do filme, vencedor de um Óscar, de um Globo de Ouro e um prémio BAFTA, em 2014. A música e as letras serão de Robert Lopez, as canções serão escritas por Kristen Anderson-Lopez e o argumento será de Jennifer Lee (que também co-realizou o filme com Chris Buck).

O musical da história inspirada num conto do dinamarquês Hans Christian Andersen terá como encenador Alex Timbers, que teve a mesma função em produções como Rocky ou Bloody Bloody Andrew Jackson. A coreografia será de Peter Darling, vencedor de um Tony por Billy Elliot. A cenografia e figurinos serão de Bob Crowley, vencedor de sete prémios Tony.

Ainda não é conhecido qualquer nome por entre o elenco, o teatro da Broadway em que decorrerá o musical ou as datas exatas de produção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.