Frears, Moore e Ridley Scott no elenco de Toronto 2015

Com o anúncio de grande parte do programa do Festival de Toronto abriu oficialmente a temporada de prémios 2016. No TIFF há também filmes populares e estreias mundiais

Michael Moore e o seu documentário parcialmente rodado em Portugal, Ridley Scott em antestreia mundial e a vida e queda de Lance Armstrong por Stephen Frears são alguns dos trunfos ontem anunciados do TIFF - Toronto International Film Festival, a ter lugar entre 10 e 20 de setembro.

Veja o trailer de Perdido em Marte:

Hoje são anunciados os filmes a concurso em Veneza, mas o maior festival da América do Norte tem já um elenco invejável, a começar pelo filme de abertura, Demoliton, do québécois Jean-Marc Valée, drama intenso com Jake Gyllenhaal.

Pelo terceiro ano consecutivo, o cineasta coloca um filme em Toronto. Em 2013 foi a estreia de O Clube de Dallas e o ano passado Livre, com Reese Whiterspoon. Um bom sinal para os Óscares. Desta vez, acompanha o processo de luto de um homem que tenta seguir a vida depois da morte da sua mulher. Consta que a interpretação de Naomi Watts pode dar o hat trick ao realizador em termos de nomeação aos Óscares dos seus atores. Valée é o caso de como um cineasta do Québec pode conseguir implantação em Hollywood.

Curioso é já estar fechado e concluído Where to Invade Next, de Michael Moore, cujas filmagens por Lisboa em abril e maio causaram grande espanto por cá. Agora, sabe-se mais sobre o filme: é uma comédia, ou melhor, uma provocação. Moore tenta "ajudar" a Administração Obama e diz ao Pentágono que ele próprio mais a sua câmara vão a pequenos países insuspeitos ver onde será melhor uma invasão americana. Portugal e Espanha fazem parte da lista. Um documentário comédia com críticas ferozes à política externa americana. Será que pode fazer estragos aos Democratas em ano de eleições primárias?

E porque este é um festival que trata tão bem o filme mais "indie" e o de grande estúdio, a 20th Century Fox escolheu Toronto para a antestreia mundial de um seus títulos mais fortes: Perdido em Marte, de Ridley Scott, aquele que deverá ser o pedido de desculpas formal por Exodus (2014), porventura um dos seus maiores equívocos. Matt Damon é um astronauta que fica para trás no Planeta Vermelho depois de uma arriscada missão. Um thriller espacial que remete para o universo de Alien (1979), ainda hoje um dos seus melhores filmes.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.