Franceses e mulheres escolarizadas são quem mais vai aos museus

Os mais escolarizados, mais mulheres do que homens, mais estrangeiros do que portugueses, é este o perfil do visitante de museus da Direção Geral do Estado, segundo um estudo encomendado por este organismo, com o ISCTE.

As mulheres estão em maioria entre os visitantes dos museus (56% contra 44% de homens), quanto mais escolarizados mais vão e entre os frequentadores, 47% são portugueses e 53% estrangeiros. Destes, entre uma centena de nacionalidades representadas, sobressaem os de nacionalidade francesa. Estas são alguns dos resultados globais do Estudo de Públicos de Museus Nacionais (EPMN), hoje apresentados no Palácio da Ajuda. "Gostaria de ver mais publicações e de ver mais uso da língua francesa, pois os franceses representam um grande contingente dos que visitam os nossos museus, quer de brochuras e prospetos, quer da melhoria dos sites da internet e das redes sociais", disse o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, aos jornalistas, no final da apresentação.

Se bem que 98% dos inquiridos diga sentir 98% de satisfação com o acolhimento dos funcionários, os números caem a pique para os 18% quando se fala na divulgação feita através dos novos media (facebook, twitter, etc.), fica nos 19% quanto à informação sobre visitas guiadas e nos 28% quando a questão trata da página web do museu.

A gratuitidade dos museus também é abordada no documento: 42% não agenda a visita de forma a coincidir com a greve, mas uns expressivos 37% procura estes dias para realizar as suas visitas. E quase 12% fá-lo a pensar nas visitas em família.

"A primeira coisa a fazer é mostrar que a gratuitidade não se concentra apenas nesse dia, que há bilhetes gratuitos para várias pessoas", notou o ministro da Cultura, remetendo futuras recomendações ao sector para futuras e mais profundas conclusões deste estudo, que antecipam a celebração do Dia dos Museus na quarta-feira, e a noite dos museus no sábado, dia 21.

Os dados obtidos, uma amostra constituída por 13.583 respostas a questionários efetuados eletronicamente nos 14 museus tutelados pela Direção Geral do Património Cultural (DGPC) entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015, a visitantes com mais de 15 anos, e foram analisados pelo ISCTE e apresentados ontem por José Soares Neves, coordenador científico do projeto, e mais cinco pessoas. O total destas instituições registou um total de 1 232 258 de visitantes. Destes, 640 804 são oriundos do território nacional e 591 454 são estrangeiros.

A rede portuguesa de museus reúne 146 espaços que, em 2015, registaram mais de 4 milhões de entradas, de acordo com DGPC. É a este universo que se pretendem alargar as políticas geradas pelos resultados deste estudo de públicos.

À margem da conferência de imprensa, Castro Mendes confirmou que os terrenos junto ao Museu Nacional de Arte Antiga foram adquiridos pela Câmara Municipal de Lisboa, com vista à ampliação do segundo museu nacional mais visitado, com quase 164 mil visitantes contra os quase 347 do Museu dos Coches, aberto em novas instalações há um ano. "É uma das prioridades", disse o ministro da Cultura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.