Artista francesa pede indemnização de 29 milhões de euros a Lady Gaga

Orlan acusa cantora de plagiar o seu universo criativo

Orlan, artista francesa que utiliza o próprio corpo para fazer "arte carnal", está a processar a cantora Lady Gaga por apropriação indevida do seu universo criativo.

Segundo o El País, a francesa já entrou com um processo em tribunal em França, pedindo uma indemnização de cerca de 29 milhões de euros por plágio.

As acusações começaram em 2013, quando Orlan garantiu que Lady Gaga teria utilizado várias das suas obras para construir a imagem gráfica do videoclip do tema Born This Way,single do álbum com o mesmo nome.

As semelhanças podem ser reconhecidas e foram apontadas nas redes sociais e pela crítica, mas a própria Lady Gaga desmentiu conhecer o trabalho de Orlan à revista britânica New Musical Express. "Parece difícil acreditar que uma cantora que reivindicou em diversas ocasiões uma grande paixão pela arte contemporânea e dispõe de uma equipa multidisciplinar de criativos não conheça uma artista mundialmente reconhecida, cuja obra faz parte dos principais museus do mundo e é exibida frequentemente", disse o advogado de Orlan, Philippe Dutilleu.

Uma imagem de Orlan colocada pela artista no Twitter

Não é a primeira vez que Lady Gaga recebe acusações de plágio: quando, em 2010, apareceu nos MTV Music Awards com um vestido de carne, réplica de uma escultura de Jana Sterbak de 1987, foi criticada por se apropriar de uma obra sem dar conhecimento à autora.

Um juiz do tribunal de primeira instância de Paris ouvirá, a partir do próximo dia 7 de junho, ambas as partes: além das interessadas, serão chamadas a prestar declarações à justiça também as companhias discográficas Interscope Records e a Universal Music France.

Orlan pede a Lady Gaga 27,3 milhões de dólares (cerca de 25 milhões de euros) por direitos de autor e 4,2 milhões de dólares - cerca de quatro milhões de euros - por danos morais sofridos devido ao plágio, além da imediata interrupção da transmissão do vídeo e outros suportes gráficos do tema Born This Way.

A artista francesa, que se notabilizou por converter o seu corpo numa obra de arte através de intervenções cirúrgicas, tem procurado transmitir através das suas manifestações artísticas uma crítica ao culto do corpo e refletir igualmente sobre o feminismo e as desigualdades de género.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.