Frances McDormand conquista Toronto

Three Billboards Outside Ebbing, Missouri é o filme escolhido pelo público do Festival de Cinema de Toronto. Protagonizado por Frances McDormand, é realizado por Martin McDonagh

O anúncio foi feito esta tarde em Toronto. O filme vencedor conta a história de uma mulher cuja filha foi brutalmente assassinada que resolve provocar o chefe da polícia local, que não resolveu o caso, com três enormes cartazes.

Three Billboards Outside Ebbing, Missouri junta-se ao palmarés de Toronto e posiciona-se na temporada pré Oscares. No ano passado foi La La Land o vencedor.

Os filmes "Sweet Country", de Warwick Thornton, "Ava", de Sadaf Foroughi, e "Faces Places", de Agnès Carda e JR, estão entre os outros premiados do Festival Internacional de Cinema de Toronto.

Para o festival canadiano tinham sido selecionados quatro produções e coproduções portuguesas: "A fábrica de nada", de Pedro Pinho, "Flores", de Jorge Jácome, a animação "Água Mole", de Laura Gonçalves e Xá, e "Zama", da realizadora argentina Lucrecia Martel.

Na secção "Sessões Especiais" foi apresentado "The Captain", de Robert Schwentke, uma produção com participação da Alfama Films, de Paulo Branco.

Warwick Thornton foi eleito o melhor realizador por "Sweet Country", enquanto o Prémio FRIPESCI (da federação internacional da crítica) foi atribuído a "Ava", da realizadora iraniana Sadaf Foroughi.

A lista de premiados inclui ainda "The great Buddha", de Huang Hsin-Yao, e as curtas-metragens "Lemire", de Marc-Antoine Lemire, e "The burden", de Niki Lindroth von Bahr.

Na 42ª. edição, o Festival de Toronto exibiu 256 longas-metragens e 84 curtas de 74 países.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".