Fotógrafo faz crowdfunding para iluminar país

Espanhol quer fazer a diferença com lâmpadas e painéis solares e chegar a 250 casas em Myanmar. Campanha está a decorrer.

Rubén Salgado Escudero sorri. "Não, os pastores não usam o painel solar como tabuleiro de xadrez. Foi uma ideia que surgiu neste projeto Retratos Solares. Eles estavam todos contentes com os painéis porque assim já podiam jogar xadrez à noite." Este fotógrafo espanhol vive em Myanmar, país onde apenas três mil das 68 mil aldeias têm acesso a algum tipo de iluminação. E algumas têm painéis solares. Rubén quer agora que a luz chegue a mais 250 famílias e lançou o crowdfunding Let There Be Light Myanmar, a decorrer até ao próximo dia 22.

Os Retratos Solares, que lhe valeram o primeiro prémio na categoria Retrato dos Sony World Photography Awards, mostram os habitantes de várias aldeias de Myanmar nas suas atividades diárias, iluminadas por lâmpadas alimentadas por um painéis solares. "O projeto surgiu quando trabalhava numa organização humanitária. Vivi em várias aldeias e apercebi-me de que ninguém tinha luz. Uma noite fui a uma aldeia que tinha alguns painéis solares e fiquei admirado por ver a qualidade de vida que os habitantes tinham. Não tinham de usar velas, que são muito perigosas em casas de bambu", relata o fotojornalista.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.