Foto de aurora boreal dá prémio a português

Uma imagem da aurora boreal valeu a Adriano Neves o prémio nacional de fotografia dos Sony World Photography Awards. O engenheiro civil, natural de Tomar, vai ter a sua fotografia exposta em Londres, onde em abril serão entregues todos os prémios deste concurso.

A fotografia "Northern Lights over the milky way" foi tirada no início de 2014 perto de Reykjavik, numa viagem à Islândia. "Ganhar o primeiro prémio no prémio Nacional de Portugal é uma honra incrível", disse Adriano Neves. Em segundo lugar ficou Alexandre Manuel e em terceiro Carlos Monteiro.

A organização do concurso anunciou hoje a atribuição dos 54 prémios nacionais. Os vencedores recebem uma Sony RX100 III.

Adriano Neves vai estar em Londres na gala de entrega dos prémios Sony World Photography, a 23 de abril. A sua fotografia, assim como a de outros vencedores, vai estar em exposição na Somerset House, entre 24 de abril e 10 de maio.

Na categoria de fotografias tiradas com telemóvel alinham-se três finalistas portugueses entre 20 candidatos. Os vencedores desta categoria serão conhecidos no próximo dia 31.

Portugal tem ainda dois finalistas neste concurso de fotografia nas categorias Profissional e Cultura sub-19. Trata-se de Eduardo Leal, com uma imagem da Bolívia, e Beatriz Rocha, com uma foto de elementos de um grupo de cante alentejano no Teatro Garcia de Resende, em Évora, respetivamente. Estes e outros vencedores serão anunciados na gala de 23 de abril em Londres. Os portugueses integram um leque restrito de mil finalistas, depois de escolhidas quase 174 mil imagens de 171 países.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.