Foto de aurora boreal dá prémio a português

Uma imagem da aurora boreal valeu a Adriano Neves o prémio nacional de fotografia dos Sony World Photography Awards. O engenheiro civil, natural de Tomar, vai ter a sua fotografia exposta em Londres, onde em abril serão entregues todos os prémios deste concurso.

A fotografia "Northern Lights over the milky way" foi tirada no início de 2014 perto de Reykjavik, numa viagem à Islândia. "Ganhar o primeiro prémio no prémio Nacional de Portugal é uma honra incrível", disse Adriano Neves. Em segundo lugar ficou Alexandre Manuel e em terceiro Carlos Monteiro.

A organização do concurso anunciou hoje a atribuição dos 54 prémios nacionais. Os vencedores recebem uma Sony RX100 III.

Adriano Neves vai estar em Londres na gala de entrega dos prémios Sony World Photography, a 23 de abril. A sua fotografia, assim como a de outros vencedores, vai estar em exposição na Somerset House, entre 24 de abril e 10 de maio.

Na categoria de fotografias tiradas com telemóvel alinham-se três finalistas portugueses entre 20 candidatos. Os vencedores desta categoria serão conhecidos no próximo dia 31.

Portugal tem ainda dois finalistas neste concurso de fotografia nas categorias Profissional e Cultura sub-19. Trata-se de Eduardo Leal, com uma imagem da Bolívia, e Beatriz Rocha, com uma foto de elementos de um grupo de cante alentejano no Teatro Garcia de Resende, em Évora, respetivamente. Estes e outros vencedores serão anunciados na gala de 23 de abril em Londres. Os portugueses integram um leque restrito de mil finalistas, depois de escolhidas quase 174 mil imagens de 171 países.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.