"Foge" e "Chama-me Pelo Teu Nome" vencem melhores argumentos

James Ivory e Jordan Peele foram os distinguidos

O argumentista e realizador de "Foge", Jordan Peele, recebeu o Óscar de melhor argumento original, enquanto James Ivory venceu na categoria de melhor argumento adaptado por "Chama-me pelo teu nome", a partir da história de André Aciman.

É o primeiro Óscar atribuído a "Chama-me pelo Teu Nome", filme que explora o despertar da sexualidade, protagonizado pelo nomeado a melhor ator principal Thimotée Chalamet.

James Ivory começou por reconhecer o escritor André Aciman, também presente na cerimónia, e a sua "história sobre a beleza do primeiro amor, seja ele heterossexual, gay ou algo no meio". Agradeceu também ao "sensível" realizador" Luca Guadagnino e aos atores, "sem os quais não estaria naquele palco".

"Get Out" é o primeiro filme de Jordan Peele, o primeiro negro em 90 anos nomeado a três Óscares com o mesmo filme, feito referido no início da cerimónia pelo anfitrião Jimmy Kimmel.

"Isto significa muito para mim", disse no início do discurso, admitindo que parou de escrever o argumento mais de 20 vezes por achar que "não resultaria", mas que, se alguém acreditasse nele, "poderia levantar a sua voz", e assim o fez.

O filme, que é também uma sátira, aproveita-se do horror para abordar a questão racial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.