FNAC retira frase que gerou polémica no Facebook

A cadeia de lojas FNAC retirou das lojas uma das frases publicitárias de uma campanha de trocas de discos, filmes e livros, que reverte a favor da AMI, depois de uma polémica desencadeada no Facebook.

Em causa está uma série de frases publicitárias, colocadas em expositores nas lojas FNAC, que incentivam o consumidor a trocar livros, CD e DVD. Uma delas - "Troque os Maias pela Meyer" - sugeria aos leitores que trocassem aquele romance de Eça de Queirós por livros da escritora Stephenie Meyer, autora da série de sucesso "Twilight", protagonizada por vampiros.

Essa frase em particular causou uma onda de protestos na rede social Facebook, com vários utilizadores a considerarem que a campanha tem um objetivo nobre, mas a publicidade foi infeliz. Fonte da FNAC Portugal disse à agência Lusa que vai retirar aquela frase dos expositores, mantendo as restantes.

Em comunicado, a FNAC Portugal explicou que "a ideia desta campanha assenta num aproveitamento das semelhanças fonéticas dos títulos das várias obras emblemáticas, com um tom humorístico mas sem qualquer intenção de juízo de valor e sem nunca pretender desvalorizar as obras citadas".

A campanha começou no dia 26 de janeiro em toda a rede das lojas FNAC em Portugal e termina no dia 15 de fevereiro. "Com esta campanha a FNAC pretende mobilizar as pessoas para um gesto solidário", refere a empresa.

Os consumidores que levarem um CD, um DVD ou um livro receberão em troca um vale de cinco euros para comprar um artigo de cultura semelhante, acima de 15 euros. Todos os artigos reunidos na campanha serão entregues à organização não governamental AMI, Assistência Médica Internacional. A mesma fonte não adiantou à Lusa quantos artigos foram já recolhidos desde o começo da campanha.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.