Flores sonoras e um elefante na Avenida da Liberdade

Desde sempre soube que queria desenhar. Fez a António Arroio, Pintura em Belas-Artes, tornou-se ilustrador e autor de banda desenhada a tempo inteiro

Os desenhos de Ricardo Cabral andam por aí. Não os reconhece? Terá reparado nuns cartazes com enormes flores carnudas que parecem vir de outra galáxia? São sete, todos diferentes e estão em muitas paredes de Lisboa. Não estão assinados, mas saíram do computador deste ilustrador e autor de BD.

Os cartazes do festival Lisb-on são um dos mais recentes trabalhos do ilustrador de 38 anos, que trabalha em várias áreas. "O briefing foi muito específico em relação ao que o cliente queria, que eram flores que representassem os artistas mas que não fossem deste mundo. Eu só tive de imaginar o que se adequava para ser identificado como uma planta que seria uma planta mas não seria uma planta normal."

Lisboa é o território natural de desenho de Ricardo Cabral. Porque é a cidade onde cresceu e estudou, é a cidade onde vive e trabalha. Sempre com um lápis, uma caneta ou um telemóvel (sim, também desenha no telemóvel). "Sempre desenhei, sempre achei que era isto que queria fazer. Fui para a António Arroio, depois para a Faculdade de Belas-Artes para pintura e depois comecei a fazer ilustração, banda desenhada e começaram a surgir trabalhos mais vistosos, os que são mais conhecidos."

Os trabalhos de que fala, curiosamente, contam histórias de outras paragens. São os livros Evereste (2007, ASA) - inspirado na história do alpinista João Garcia - e Israel Sketchbook (2009, ASA) - resultado de uma viagem desenhada ao país. Também as capas que fez para a Moleskine fizeram que o telefone não parasse de tocar. Ricardo Cabral foi o primeiro português a desenhar capas dos famosos caderninhos, em 2011.

Voltamos a Lisboa. Numa das paredes do seu ateliê em Santa Apolónia está um desenho da Avenida da Liberdade, vista dos Restauradores ao alto do Parque Eduardo VII, reconhecível ao primeiro olhar mas com uma estranha distorção que o autor explicaria: "Era para uma brochura para ser oferecida a potenciais compradores de andares de um prédio na Avenida da Liberdade e o cliente queria mostrar a avenida toda e, para além disso, os pontos principais mais apelativos para o tipo de comprador, que eram as lojas de luxo, o estacionamento e tudo o que era mais exclusivo da avenida." O desenho que fez acabaria por tirar algum verde às copas das árvores para deixar brilhar as lojas de luxo e as fachadas (e sim, o prédio terá sido vendido).

"Lisboa é interessante de desenhar, não é o tipo de cidade mais moderna que é muito quadradona. Olhas para aqui e há milhares de pormenores. Dá mais gozo desenhar dessa maneira do que arranha-céus todos iguais."

No álbum Pontas Soltas (2014, ASA), Ricardo Cabral dá asas aos pormenores e junta-lhe o elefante cor-de-rosa que hoje pousa em cima da prateleira do ateliê. Nesta banda desenhada, o elefante desce a Avenida da Liberdade e a Rua Augusta. Privilégios de quem pode brincar assim com as cidades. "A história original saiu noutra publicação, numa antologia de BD no festival de Lyon. Eles convidaram autores de várias origens para ilustrar cidades e davam estes personagens principais [um rapaz e uma rapariga]. Cada capítulo era passado numa cidade e eu aproveitei a história e fiz o álbum", conta. Já o elefante, a que não deu nome, comprou-o em Copenhaga. "Fazem parte de uma coleção. É de uma campanha de proteção de animais selvagens. Tinham estas figuras à venda em vários sítios e achei piada."

Após uns anos de atividade editorial mais intensa, Ricardo Cabral resolveu "abrandar e reequacionar as coisas". Não significa que esteja parado. Está a aprender novas técnicas e por estes dias está, como outros artistas do coletivo The Lisbon Studio, com quem partilha o ateliê, a acabar o trabalho para a publicação que lançaram em maio: TLS. "No primeiro número o tema foi cidades, o segundo será silêncio" e deverá ser lançado no festival de BD da Amadora em outubro. Também com os vizinhos do lado ultima os preparativos para uma exposição sobre Bordalo Pinheiro e Zé Povinho, que deverá chegar no final de setembro ao Museu Rafael Bordalo Pinheiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)