"Flores" e "A Fábrica do Nada" vão ao Festival de Toronto

Mais dois filmes portugueses foram selecionados para o festival que anunciou hoje a programação de várias secções. Mas haverá mais portugueses em Toronto.

Flores, o filme de 26 minutos realizado por Jorge Jácome é um dos títulos portugueses selecionados para o Festival Internacional de Cinema de Toronto, no Canadá, de 7 a 17 de setembro. O realizador coloca a ação num cenário de crise natural nos Açores provocada por uma incontrolável praga de hortênsias. A população vê-se forçada a abandonar as ilhas mas dois jovens soldados, sequestrados pela beleza da paisagem, resistem à partida. O filme conta com interpretações de André Andrade, Pedro Rosa, Gabriel Desplanque e Jorge Jácome.

Flores já foi mostrado no Indie Lisboa, no Festival de Curtas Metragens de Vila do Conde e no Wal&Talk, em Ponta Delgada. Em Toronto, será apresentado na secção de "Wavelenghts 3: Figures in a Landscape". "Wavelenghts" é o programa de cinema experimental do festival, que depois se subdivide em curtas e longas-metragens, sendo que nas curtas há ainda quatro divisões temáticas.

Já a longa A Fábrica do Nada, de Pedro Pinho, aparece em "Wavelengths - Features". O filme ganhou o prémio FIPRESCI, da Federação Internacional de Críticos de Cinema no último festival de Cannes.

Além destes, há mais dois filmes que envolvem portugueses no festival de Toronto.

The Captain, do alemão Robert Schwentke, é uma coprodução entre a Alfama Films de Paulo Branco (França), a Filmgalerie 451 (Alemanha) e a Opus Film (Polónia). O filme conta a história de Willi Herold, um soldado desertor do exército alemão antes do final da Segunda Guerra Mundial. Em fuga, descobre o uniforme de um capitão e assume uma nova identidade. Robert Schwenkte é o realizador de, por exemplo, Pânico a Bordo (2005) e Red: Perigosos (2010). The Captain estará na secção "Apresentações especiais" e terá a sua estreia no festival.

Por fim, Zama, da realizadora argentina Lucrecia Martel, a partir do romance de Antonio Di Benedetto, que se vai estrear no Festival de Veneza (de 30 de agosto a 9 de setembro). O filme é uma coprodução Argentina, Brasil, Espanha, França, Holanda, México e Portugal - através de Luís Urbano e da produtora O Som e a Fúria. A direção de fotografia é de Rui Poças. Zama será apresentado na secção "Mestres".

Estes filmes vêm juntar-se a Água Mole, de Laura Gonçalves, e , de Alexandra Ramires, que já tinham sido anunciados na seleção de curtas-metragens do festival.

Veja a programação completa do festival no site oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.