"Flores" e "A Fábrica do Nada" vão ao Festival de Toronto

Mais dois filmes portugueses foram selecionados para o festival que anunciou hoje a programação de várias secções. Mas haverá mais portugueses em Toronto.

Flores, o filme de 26 minutos realizado por Jorge Jácome é um dos títulos portugueses selecionados para o Festival Internacional de Cinema de Toronto, no Canadá, de 7 a 17 de setembro. O realizador coloca a ação num cenário de crise natural nos Açores provocada por uma incontrolável praga de hortênsias. A população vê-se forçada a abandonar as ilhas mas dois jovens soldados, sequestrados pela beleza da paisagem, resistem à partida. O filme conta com interpretações de André Andrade, Pedro Rosa, Gabriel Desplanque e Jorge Jácome.

Flores já foi mostrado no Indie Lisboa, no Festival de Curtas Metragens de Vila do Conde e no Wal&Talk, em Ponta Delgada. Em Toronto, será apresentado na secção de "Wavelenghts 3: Figures in a Landscape". "Wavelenghts" é o programa de cinema experimental do festival, que depois se subdivide em curtas e longas-metragens, sendo que nas curtas há ainda quatro divisões temáticas.

Já a longa A Fábrica do Nada, de Pedro Pinho, aparece em "Wavelengths - Features". O filme ganhou o prémio FIPRESCI, da Federação Internacional de Críticos de Cinema no último festival de Cannes.

Além destes, há mais dois filmes que envolvem portugueses no festival de Toronto.

The Captain, do alemão Robert Schwentke, é uma coprodução entre a Alfama Films de Paulo Branco (França), a Filmgalerie 451 (Alemanha) e a Opus Film (Polónia). O filme conta a história de Willi Herold, um soldado desertor do exército alemão antes do final da Segunda Guerra Mundial. Em fuga, descobre o uniforme de um capitão e assume uma nova identidade. Robert Schwenkte é o realizador de, por exemplo, Pânico a Bordo (2005) e Red: Perigosos (2010). The Captain estará na secção "Apresentações especiais" e terá a sua estreia no festival.

Por fim, Zama, da realizadora argentina Lucrecia Martel, a partir do romance de Antonio Di Benedetto, que se vai estrear no Festival de Veneza (de 30 de agosto a 9 de setembro). O filme é uma coprodução Argentina, Brasil, Espanha, França, Holanda, México e Portugal - através de Luís Urbano e da produtora O Som e a Fúria. A direção de fotografia é de Rui Poças. Zama será apresentado na secção "Mestres".

Estes filmes vêm juntar-se a Água Mole, de Laura Gonçalves, e , de Alexandra Ramires, que já tinham sido anunciados na seleção de curtas-metragens do festival.

Veja a programação completa do festival no site oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.