"Flores" e "A Fábrica do Nada" vão ao Festival de Toronto

Mais dois filmes portugueses foram selecionados para o festival que anunciou hoje a programação de várias secções. Mas haverá mais portugueses em Toronto.

Flores, o filme de 26 minutos realizado por Jorge Jácome é um dos títulos portugueses selecionados para o Festival Internacional de Cinema de Toronto, no Canadá, de 7 a 17 de setembro. O realizador coloca a ação num cenário de crise natural nos Açores provocada por uma incontrolável praga de hortênsias. A população vê-se forçada a abandonar as ilhas mas dois jovens soldados, sequestrados pela beleza da paisagem, resistem à partida. O filme conta com interpretações de André Andrade, Pedro Rosa, Gabriel Desplanque e Jorge Jácome.

Flores já foi mostrado no Indie Lisboa, no Festival de Curtas Metragens de Vila do Conde e no Wal&Talk, em Ponta Delgada. Em Toronto, será apresentado na secção de "Wavelenghts 3: Figures in a Landscape". "Wavelenghts" é o programa de cinema experimental do festival, que depois se subdivide em curtas e longas-metragens, sendo que nas curtas há ainda quatro divisões temáticas.

Já a longa A Fábrica do Nada, de Pedro Pinho, aparece em "Wavelengths - Features". O filme ganhou o prémio FIPRESCI, da Federação Internacional de Críticos de Cinema no último festival de Cannes.

Além destes, há mais dois filmes que envolvem portugueses no festival de Toronto.

The Captain, do alemão Robert Schwentke, é uma coprodução entre a Alfama Films de Paulo Branco (França), a Filmgalerie 451 (Alemanha) e a Opus Film (Polónia). O filme conta a história de Willi Herold, um soldado desertor do exército alemão antes do final da Segunda Guerra Mundial. Em fuga, descobre o uniforme de um capitão e assume uma nova identidade. Robert Schwenkte é o realizador de, por exemplo, Pânico a Bordo (2005) e Red: Perigosos (2010). The Captain estará na secção "Apresentações especiais" e terá a sua estreia no festival.

Por fim, Zama, da realizadora argentina Lucrecia Martel, a partir do romance de Antonio Di Benedetto, que se vai estrear no Festival de Veneza (de 30 de agosto a 9 de setembro). O filme é uma coprodução Argentina, Brasil, Espanha, França, Holanda, México e Portugal - através de Luís Urbano e da produtora O Som e a Fúria. A direção de fotografia é de Rui Poças. Zama será apresentado na secção "Mestres".

Estes filmes vêm juntar-se a Água Mole, de Laura Gonçalves, e , de Alexandra Ramires, que já tinham sido anunciados na seleção de curtas-metragens do festival.

Veja a programação completa do festival no site oficial.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?