Festival IndieLisboa não esquece Abril

Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira, e Os Cravos e a Rocha, de Luísa Sequeira, passam amanhã, mas ainda há muito para ver.

Foi há sete anos que em pleno dia de Revolução dos Cravos, num Cinema São Jorge ainda sem o som renovado, que Águas Mil, de Ivo M. Ferreira, era apresentado em estreia nacional, um filme sobre a geração que cresceu após o 25 de Abril. Agora, o realizador não tem uma obra que toque diretamente os cravos mas Cartas da Guerra, a partir do escritor António Lobo Antunes e da sua experiência na Guerra Colonial, é óbvio que vai lá parar. Faz sentido, todo o sentido mesmo, ser exibido no dia 25 abril.

Amanhã, às 21.30, agora no Grande Auditório da Culturgest, e com a presença de Ivo M. Ferreira e de Margarida Vila-Nova, a protagonista feminina, Cartas da Guerra é então finalmente revelado em Portugal (a sua estreia comercial deve acontecer em setembro) naquela que é uma das sessões mais procuradas desta edição. As palavras de Lobo Antunes no preto e branco espantoso da fotografia de João Ribeiro levam-nos para um estado de espírito de um imaginário próprio de África. Aliás, é um objeto para se ver, ouvir e ficarmos lá dentro. Toca o belo e tem um Miguel Nunes a fazer de jovem António com uma serenidade desarmante. No Festival de Berlim dividiu opiniões, mas o bom gosto de Ivo M. Ferreira supera um eventual vendaval de narração. Tal como em A Escama do Dragão, parece que a sua câmara ganhou aquele estado de graça e elegância à Wong Kar--wai. E não menos importante, a tal beleza do preto e branco não nos impede de experimentar o horror daquela guerra tão absurda.

O espírito de Abril é reforçado com outra curta-metragem de estreia, a da ex-apresentadora do magazine de cinema nacional Fotogramas, da RTP, Luísa Sequeira. Chama-se Os Cravos e a Rocha e é um pequeno documentário não subsidiado que investiga a participação de Glauber Rocha no filme coletivo As Armas e o Povo. Sequeira entrevista cúmplices portugueses de Rocha e o cineasta brasileiro Joel Pizzini, numa teia de afetos que dirá muito aos fãs do realizador Glauber. Tal como o filme Boi Neon, mais outro título que em Portugal já tinha sido exibido pelo Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira. Os Cravos e a Rocha antecede A Ilha dos Ausentes, de José Vieira, no São Jorge às 21.45, amanhã. Se esse é um filme de uma fã, o que dizer de O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu, de João Botelho? Uma verdadeira tese da genialidade de Oliveira feita por um Botelho que viaja pela filmografia do mestre com devoção e algumas histórias pessoalíssimas. Depois, a acabar, tem uma curta intitulada A Rapariga das Luvas, uma história que Oliveira poderia ter filmado num dos seus interregnos.

Um filme mudo tocado por Deus e que incorpora a ética de cinema de Oliveira. Não é ousadia de Botelho, é um ato de agradecimento. O espectador é quem ainda ficará mais grato. O filme passa já hoje na Culturgest às 18.00 e repete depois no dia 28. Verdadeiro acontecimento.

No dia 1 de maio, no fecho do festival, outro acontecimento: L"Avenir, de Mia Hansen-Love, prémio de realização da Berlinale 2016. Uma história sobre uma professora de Filosofia que se reinventa depois de ser abandonada pelo marido. É uma reinvenção apaziguada e maturada com uma interpretação de Isabelle Huppert diferente de tudo o que já fez. Nunca as suas lágrimas tiveram este calor... Terminará bem um festival com a realizadora que em 2015 esteve cá como Heroína Indie.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.