Festival de Locarno 2018 abre a porta ao novo cinema português

Algum do mais recente cinema português, ainda em fase de pós-produção, estará em destaque em agosto no Festival de Cinema de Locarno, na Suíça, onde poderá "iniciar uma carreira internacional", foi hoje anunciado.

"Dos contemporâneos aos realizadores clássicos, o cinema português tem sido sempre aclamado pela excelência artística por parte da crítica, mas ao mesmo tempo tem cativado os distribuidores e os principais festivais internacionais", sublinhou hoje a diretora artística adjunta do festival, Nadia Dresti, em comunicado.

Assim, Portugal será o país em foco no programa "First Look" e nele serão exibidos entre cinco a sete filmes portugueses em fase de pós-produção, para uma audiência composta apenas por profissionais, entre programadores, exibidores, distribuidores e produtores.

Numa parceria em conjunto com o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), o programa tem por objetivo garantir a finalização e a internacionalização dos filmes selecionados, e ainda não anunciados.

No mesmo comunicado, o presidente do ICA, Luís Chaby Vaz, diz-se confiante na repercussão que o programa "First Look" de Locarno deverá ter no cinema português.

O programa "First Look" terá um júri, composto por José Luis Rebordinos (do festival de San Sebastian, Espanha), Janet Pierson (do festival South by Soutwest, Estados Unidos) e Eva Sangiorgi (da mostra Viennale, Áustria), que atribuirá prémios em serviços de pós-produção e divulgação.

Locarno recorda que, ao longo da sua história de mais de 70 anos, exibiu e premiou o cinema de realizadores como José Álvaro Morais, João Pedro Rodrigues, Pedro Costa, João Botelho, Paulo Rocha, Joaquim Pinto e Manoel de Oliveira. A atriz Maria de Medeiros e o realizador Miguel Gomes já foram membros de júris.

O programa "First Look", que decorrerá de 03 a 05 de agosto, foi criado em 2011 e já deu destaque ao cinema mais recente dos países bálticos - Lituânia, Estónia e Letónia -, da Polónia, de Israel, do Brasil, do Chile, do México e da Colômbia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.