Festival de Sydney arranca hoje com cinco produções nacionais no programa

Quatro filmes portugueses e uma coprodução nacional, entre os quais "Ama San" e "São Jorge", integram o Festival de Cinema de Sydney, na Austrália, que começa hoje.

O festival decorrerá de hoje a 18 de junho e o programa apresenta, fora de competição, as longas-metragens São Jorge, de Marco Martins, e O ornitólogo, de João Pedro Rodrigues, já estreados em Portugal e que prosseguem agora o caminho internacional.

A eles, no festival de Sydney, junta-se ainda A floresta das almas perdidas, filme de José Pedro Lopes que teve estreia este ano no Fantasporto e só chegará aos cinemas portugueses depois do verão.

Na Austrália estará também o documentário Ama-San, de Cláudia Varejão, num programa dedicado a vozes femininas da Europa, e Porto, filme do realizador brasileiro Gabe Klinger, rodado em 2015 no Porto, coproduzido por Portugal.

O Festival de Cinema de Sydney, que existe há mais de 60 anos, atribuiu o prémio máximo em 2015 ao tríptico As mil e uma noites, de Miguel Gomes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.