Festival Andanças muda de espaço e reduz dias de festa

Este ano, o festival terá apenas quatro dias e realizar-se-á em ambiente urbano.

O festival Andanças, marcado por um incêndio em 2016, volta a ser realizado este ano, em Castelo de Vide, no Alto Alentejo, mas num outro espaço e com menos dias de duração, anunciaram hoje os promotores.

Numa nota publicada na sua página de Internet, a Pédexumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, considera que, este ano, "urge repensar" o festival e "reforçar" os seus objetivos, após o incêndio ocorrido no ano passado que destruiu mais de 400 viaturas num dos parques de estacionamento.

"Em ano que urge repensar o festival e reforçar os seus objetivos e, partindo de um dos quatro pilares que o sustentam - a Comunidade, pretende-se criar um evento mais integrado no local, mais reduzido - 4 dias - e em meio urbano", lê-se na nota dos organizadores da iniciativa, que, em 2016, se prolongou por sete dias.

Fonte do município de Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, adiantou à agência Lusa que o festival vai decorrer, em agosto, nas imediações da vila, junto a uma ribeira, depois de ter sido realizado, ao longo de vários anos, nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, numa área de 28 hectares.

No dia 2 deste mês, o Ministério Público (MP) anunciou ter arquivado o inquérito ao incêndio que ocorreu a meio da tarde do dia 3 de agosto de 2016, pouco antes das 15:00, tendo as chamas atingido total ou parcialmente 458 viaturas.

O despacho final do MP concluiu que, "realizadas todas as diligências, não foi possível apurar quaisquer indícios que permitissem concluir que o fogo tivesse sido ateado de forma deliberada ou intencional".

"Também não foi possível recolher indícios que permitissem apurar as circunstâncias concretas em que o mesmo ocorreu, nem a eventual responsabilidade negligente de alguém", segundo um comunicado do MP, publicado na página da Internet da Procuradoria da Comarca de Portalegre.

Na sequência da decisão do MP, o advogado Pedro Proença, representante de parte dos lesados do incêndio, disse à Lusa que vai interpor uma ação judicial, reconhecendo que já esperava o arquivamento do inquérito.

"Era mais do que esperado" que seria "impossível identificar o autor da ignição", pelo que o arquivamento do inquérito "era uma probabilidade" que "já tinha comunicado aos meus clientes", afirmou o advogado.

Agora, argumentou, "estão criadas as condições que eram necessárias para efetivar responsabilidades" às entidades que "são responsáveis pela propagação do incêndio".

"Vamos agir contra aqueles que são responsáveis pela facilidade com que o incêndio se propagou", frisou, indicando que a ação judicial vai visar, "para já", a associação Pédexumbo, promotora da iniciativa, e a Câmara Municipal de Castelo de Vide.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.