Festival Andanças muda de espaço e reduz dias de festa

Este ano, o festival terá apenas quatro dias e realizar-se-á em ambiente urbano.

O festival Andanças, marcado por um incêndio em 2016, volta a ser realizado este ano, em Castelo de Vide, no Alto Alentejo, mas num outro espaço e com menos dias de duração, anunciaram hoje os promotores.

Numa nota publicada na sua página de Internet, a Pédexumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, considera que, este ano, "urge repensar" o festival e "reforçar" os seus objetivos, após o incêndio ocorrido no ano passado que destruiu mais de 400 viaturas num dos parques de estacionamento.

"Em ano que urge repensar o festival e reforçar os seus objetivos e, partindo de um dos quatro pilares que o sustentam - a Comunidade, pretende-se criar um evento mais integrado no local, mais reduzido - 4 dias - e em meio urbano", lê-se na nota dos organizadores da iniciativa, que, em 2016, se prolongou por sete dias.

Fonte do município de Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, adiantou à agência Lusa que o festival vai decorrer, em agosto, nas imediações da vila, junto a uma ribeira, depois de ter sido realizado, ao longo de vários anos, nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, numa área de 28 hectares.

No dia 2 deste mês, o Ministério Público (MP) anunciou ter arquivado o inquérito ao incêndio que ocorreu a meio da tarde do dia 3 de agosto de 2016, pouco antes das 15:00, tendo as chamas atingido total ou parcialmente 458 viaturas.

O despacho final do MP concluiu que, "realizadas todas as diligências, não foi possível apurar quaisquer indícios que permitissem concluir que o fogo tivesse sido ateado de forma deliberada ou intencional".

"Também não foi possível recolher indícios que permitissem apurar as circunstâncias concretas em que o mesmo ocorreu, nem a eventual responsabilidade negligente de alguém", segundo um comunicado do MP, publicado na página da Internet da Procuradoria da Comarca de Portalegre.

Na sequência da decisão do MP, o advogado Pedro Proença, representante de parte dos lesados do incêndio, disse à Lusa que vai interpor uma ação judicial, reconhecendo que já esperava o arquivamento do inquérito.

"Era mais do que esperado" que seria "impossível identificar o autor da ignição", pelo que o arquivamento do inquérito "era uma probabilidade" que "já tinha comunicado aos meus clientes", afirmou o advogado.

Agora, argumentou, "estão criadas as condições que eram necessárias para efetivar responsabilidades" às entidades que "são responsáveis pela propagação do incêndio".

"Vamos agir contra aqueles que são responsáveis pela facilidade com que o incêndio se propagou", frisou, indicando que a ação judicial vai visar, "para já", a associação Pédexumbo, promotora da iniciativa, e a Câmara Municipal de Castelo de Vide.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.