Festival "Andanças" festeja 20 anos a partir de segunda-feira em Castelo de Vide

O Festival Internacional de Danças Populares é realizado junto à albufeira de Póvoa e Meadas até ao dia 9 deste mês e espera receber cerca de 40 mil visitantes.

A 20.ª edição do festival "Andanças" vai decorrer, a partir de segunda-feira, em Castelo de Vide, Portalegre, numa área de 28 hectares preparada para receber cerca de mil artistas de todo o mundo.

O "Andanças" - Festival Internacional de Danças Populares, promovido pela Associação para a Promoção da Música e Dança PédeXumbo, é realizado junto à albufeira de Póvoa e Meadas até ao dia 09 deste mês, esperando receber cerca de 40 mil visitantes.

"Estamos a festejar os 20 anos do festival e criámos novas áreas, com mais oferta cultural para os visitantes", disse hoje à agência Lusa a coordenadora da iniciativa, Ana Martins.

O "Andanças" é um festival que assenta em "quatro pilares": dança/música, voluntariado, comunidade e ambiente/sustentabilidade.

Contando, na parte logística, com cerca de mil pessoas, incluindo uma "grande fatia" de voluntários, o festival desafia os visitantes a "abandonar" a postura de espetadores para poderem assumir um "papel ativo" nas atividades realizadas.

De acordo com a organização, este ano vai também ser criado um novo espaço, inspirado nos palcos tradicionais de encontro e de interação social pela dança.

"O palco "Terreiro` é a novidade. Neste palco vão decorrer apresentações de projetos musicais mais ligados à ruralidade, à tradição pura e dura", disse.

Com cerca de 500 atividades artísticas espalhadas pelo recinto, o "Andanças" vai também contar este ano, pela primeira vez, com uma feira de instrumentos tradicionais, onde os construtores de instrumentos irão mostrar e vender os seus trabalhos, partilhando técnicas e conhecimentos com os festivaleiros.

Pelos 11 espaços programados do festival vão passar mais de 50 grupos e projetos musicais, num total de cerca de mil artistas, havendo ainda espaço para a realização de oficinas de dança durante o dia e bailes à noite.

As "mais de 130 oficinas de dança" vão oferecer ritmos e coreografias dos vários continentes, com danças tão diferentes quanto tarantellas de Itália, círculos dos Balcãs, mazurcas da Polónia, urbanas, clássicas indianas, afro-colombianas, sapateado, forró, samba, bachata, swing, rock n'roll, cabo-verdianas, angolanas, africanas tribais, galegas, bascas, mirandesas e açorianas, entre outras.

De acordo com Ana Martins, na última edição, o "Andanças" recebeu "cerca de três mil crianças" e este ano vai contar com um espaço "privilegiado" para os mais novos e respetivas famílias, tendo sido criadas oficinas de dança nas vertentes de capoeira, colombianas, indianas, moçambicanas, portuguesas e urbanas, entre outras.

Em declarações à Lusa, o presidente do município de Castelo de Vide, António Pita, afirmou que o festival assume uma "importância muito grande" na economia local, sustentando que, nesta altura, começa a "escassear" a oferta hoteleira na região.

"Neste momento, começa já a escassear a resposta à muita procura para pernoita, não só nos hotéis, como também em casas particulares, pois há uma maior adesão de pessoas que preferem ficar em casas para alugar", disse.

Além da música e da dança, o "Andanças" tem ainda para oferecer aos visitantes oficinas de artes plásticas, de gastronomia e de artes e ofícios, cinema, sessões de contos, oficinas de naturalistas, circo e teatro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.