Fernando Tordo explica ganhos com contratos com Estado

Fernando Tordo confirma que, desde 2008, ganhou 200 mil euros do Estado através de contratos por ajuste direto. Mas diz que depois pagou aos músicos, aos técnicos e pagou impostos...

A notícia foi avançada hoje pelo jornal i, que faz uma chamada na capa que diz que a empresa de Tordo ganhou mais de 200 mil euros do Estado (sobretudo Câmaras Municipais) desde 2008. "Sendo esta informação verdadeira, peca gravemente pelo seu sensacionalismo", diz o artigo de Direito de Resposta que o músico enviou para o jornal e que reproduziu na sua página no Facebook.

Tordo explica que na digressão que realizou em 2008, 2009 e 2010 com a Stardust Orchestra "deu emprego a 26 músicos, uma equipa de produção e montagem de espetáculos, não tendo obviamente lucrado a título individual 200 mil euros".

O músico acrescenta que os espetáculos tinham um custo médio de 20 mil euros cada e que recebia cerca de 10% desse valor por cada um deles. "Fazendo as contas", diz, lucrou com os contratos por ajuste direto "cerca de 20 mil euros em três anos".

Fernando Tordo, que convida todos a consultar o site Base Contratos Públicos online (onde constam os contratos efetuados com o Estado por ajuste direto), realça que "não aceitaria que os 26 artistas que o acompanhavam em palco pudessem auferir salários de miséria porque batalhou uma vida toda para que a Cultura não fosse paga parcamente".

A compositor diz ainda que "não tendo nem trabalho nem remuneração fixos", faz descontos para a Segurança Social, às vezes "sobre rendimentos mensais que muitas vezes nem tem". "É assim que o Estado destrata os profissões liberais", comenta, acrescentando que também paga IRS, IRC sobre os lucros da empresa e IVA sobre os bilhetes dos espetáculos, "tendo assim uma carga de impostos elevadíssima".

A rematar, Fernando Tordo refere que não passa dificuldades económicas e que a decisão de emigrar é, sobretudo, uma "questão de sobrevivência intelectual", pois "não quer nem pode viver num meio em que a produção criativa estagnou".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?