Abandonou os Commedia à la Carte e foi fazer arte em Ferreira do Zêzere

Ricardo Peres abandonou o grupo que ajudou a formar e mudou-se para Ferreira do Zêzere (Ribatejo), onde, juntamente com Beatriz, fundou a FlorestArte - Associação Artística.

Há mudar de vida e mudar de vida. E a história de Ricardo Peres prova-o. É a história de um artista que mudou de palco para continuar a ser feliz e levar um pouco de arte ao interior do país, mais precisamente ao Ribatejo. E tudo começou por amor a Beatriz e às artes.

Ricardo fazia parte do grupo Commedia à la Carte, que fundou com os amigos Carlos Cunha e César Mourão em 2001. Mas chegou uma altura em que já não se sentia realizado, nem ouvido nem aplaudido e "os espetáculos já eram trabalho". Por isso, em 2016, mesmo na altura em que o grupo estava no auge, decidiu abandonar os Commedia e mudou-se para Ferreira do Zêzere, um sítio onde vai "adorar morrer", para usar palavras do próprio.

Foi lá, na província ribatejana, que, com Beatriz, uma rapariga da terra cuja avó tinha uma quinta com muito espaço livre e pouca mão-de-obra, fundou a FlorestArte - Associação Artística . O projeto ganhou forma em janeiro de 2017 nas margens do rio Zêzere, onde agora tanto se pode assistir a uma jam session de blues, um concerto, uma exposição itinerante, uma peça de teatro de rua ou um espetáculo circense, alguns de entrada livre, outros a um custo de cinco euros.

Arranjar apoios é como encontrar uma agulha num palheiro, para usar uma expressão que se adequa ao seu novo estatuto de artista agricultor ou agricultor artista. "Se fazer arte em Portugal já é difícil, fazer arte na província é dez vezes mais difícil, mas também tudo é mais valorizado", desabafa Ricardo Peres, antes de contar um episódio que o reflete e bem: "Quando tentei fazer um protocolo com a Câmara Municipal, o vereador avisou-me logo que já ajudavam 20 e tal associações culturais e não dava para ajudar todas e nós ainda éramos muito recentes, mas depois perguntou se não era possível levar os Commedia à la Carte a Ferreira do Zêzere. É esta mentalidade que é preciso mudar."

Mas isso não o impediu ou vai impedir de trabalhar na realização do próximo sonho: a Vila Circo, uma aldeia e um teatro de madeira, para retiros de criação artística, e uma sala de espetáculos.

A mudança para o Ribatejo teve os seus altos e baixos. Habituado a plateias cheias e grandes salas lotadas, Ricardo Peres sentiu falta dos aplausos e do reconhecimento artístico. Como artista e como pessoa foi um choque mudar para a "terrinha" e ver-se esquecido pelo público e por colegas. Mas isso levou-o a pensar que "andava a dar importância a pessoas para quem ele não contava muito".

Passada essa desilusão pessoal, Ricardo Peres meteu mãos à obra (literalmente) e com ajuda de uns amigos holandeses e outros irlandeses reciclou o que havia na quinta para "montar uma sala de espetáculos ao ar livre e com as estrelas como testemunha". As gaiolas de coelhos e umas portas velhas deram lugar a um bar, de tijolos fez bancos e de paletes de madeira recicladas um palco onde já atuaram muitos artistas.

No inverno, as cabras Xoné (supostamente estéril, mas que acabou por parir dois cabritos) e Lúcifer cederam parte do curral para uns concertos e, ao que consta, não se incomodaram com o barulho dos forasteiros. De resto, a vida no campo não é um mar de rosas, mas lá, em Ferreira do Zêzere, para o artista Ricardo Peres é mais fácil lidar com os problemas e ser feliz, seja a tratar de galinhas, seja a representar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.