Fatboy Slim grátis nos Aliados para abrir o Nos Primavera Sound

Concerto é a 6 de junho

O DJ britânico Fatboy Slim vai atuar no próximo dia 06 de junho, na Avenida dos Aliados, no Porto, no âmbito do festival Nos Primavera Sound, num concerto aberto gratuitamente à população, anunciou hoje a organização.

Em conferência de imprensa, o diretor do festival, José Barreiros, anunciou hoje que os Aliados vão receber o inglês Fatboy Slim, também conhecido como Norman Cook, ex-baixo dos The Housemartins, no dia 06 de junho, num concerto com entrada grátis.

José Barreiros adiantou também que o primeiro dia oficial do Primavera Sound, no Parque da Cidade, marcado para 07 de junho, vai ter quatro palcos com concertos em simultâneo.

"Vamos tocar no palco Nos, no palco Seat, no palco Superbock e no palco Bits. Quatro no primeiro dia, porque há mais bandas (...), e porque muitas vezes só podiam tocar na quinta-feira", explicou, referindo que também é importante que, desde a "primeira hora", as pessoas saibam localizar os novos palcos.

Para quinta-feira estão previstos os concertos de Lorde, Tyler the Creator, Jamie xx, Father John Misty, The Twilight Sad, Rhye, Waxahatchee, Gerd Janson, Motor City Drum Ensemble, Ezra Furman, Mall Grab, Starcrawler, Moullinex, Fogo Fogo, Tiago e Foreign Poetry.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.