Faltam menos de 180 mil euros para pôr o Sequeira no lugar

Fundação Aga Khan fez o maior contributo de uma só entidade: 200 mil euros. Hoje chega a doação da freguesia da Estrela

Quando ontem, ao final da tarde, o príncipe Amyn Aga Khan entregou um cheque de 200 mil euros a António Filipe Pimentel, o Museu Nacional de Arte Antiga ultrapassou a fasquia dos 400 mil euros de um total de 600 mil que precisa para garantir a compra do quadro a A Adoração dos Reis Magos, de Domingos Sequeira. Este foi, até agora, o maior contributo de uma só entidade no âmbito da campanha de crowd-funding "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo" lançada a 27 de outubro pela instituição e surge numa altura em que falta mês e meio para o seu fim, a 30 de abril.

Razão mais do que suficiente para, com os Painéis de São Vicente como pano de fundo, o facto fosse assinalado com pompa e circunstância, contando com a presença de várias personalidades, com destaque, desde logo, para o príncipe Amyn Aga Khan, irmão de Sua Alteza Real o Aga Khan, soberano e líder espiritual da comunidade muçulmana ismaelita.

"Fui informado desta iniciativa por um amigo e imediatamente conversei a respeito da mesma com o meu irmão, Sua Alteza o Aga Khan, e decidimos que a Fundação Aga Khan deveria responder ao apelo de fazer uma contribuição significativa num valor final de 200 mil euros, para ajudar o museu no seu nobre propósito de manter o Sequeira no "lugar certo"", afirmou o príncipe Amyn Aga Khan, em inglês, durante a cerimónia ontem realizada no Museu Nacional de Arte Antiga.

"Uma generosa doação", como referiu o diretor da instituição, que "não caiu do céu", juntou depois o ministro da Cultura, João Soares, também presente que lembrou o seu papel, enquanto presidente da câmara municipal de Lisboa, na rápida aprovação da construção do Centro Ismaili em Lisboa.

Salientando a boa relação entre Portugal e o Imamat Ismaili - "uma instituição de liderança espiritual hereditária atualmente personificada pelo meu irmão", explicou o príncipe Amyn Aga Khan - apelidou a ocasião como "um encontro de bons e velhos amigos". E relembrou os acordos assinados entre Portugal e o Imamat Ismaili ao longo dos últimos dez anos, nomeadamente "o do ano passado para o estabelecimento da sede do Imamat Ismaili em Portugal". Ao abrigo desse acordo, celebrado em junho de 2015, o príncipe Aga Khan terá residência oficial no nosso país e investirá centenas de milhões de euros em investigação científica e cooperação para o desenvolvimento. Para a escolha de Portugal pesou o facto de ter sido o primeiro Estado não muçulmano a assinar acordos com o Imamat Ismaili, primeiro em 2005 e depois em 2009, tendo por base a lei da liberdade religiosa, reconhecendo-lhe um estatuto semelhante ao Vaticano, bem como a boa integração da comunidade.

O príncipe Amyn Aga Khan afirmou ainda ter "a sincera esperança de que a nossa contribuição possa encorajar outros a seguir o exemplo e a responder ao pedido de apoio do museu". Na assistência estava António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial Portuguesa que, questionado pelo DN, disse que "o repto está aceite, agora há que lhe dar uma forma".

E se a 30 de abril não estiverem reunidos os cerca de 180 mil euros que ainda falta, o Ministério da Cultura está disponível para completar a verba? Com um "no fim falamos", João Soares esquivou-se a assumir o compromisso. Mais perentória foi Isabel Botelho Leal, secretária de Estado da Cultura em Viseu: "A campanha de angariação de fundos é do museu."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.