Faltam menos de 180 mil euros para pôr o Sequeira no lugar

Fundação Aga Khan fez o maior contributo de uma só entidade: 200 mil euros. Hoje chega a doação da freguesia da Estrela

Quando ontem, ao final da tarde, o príncipe Amyn Aga Khan entregou um cheque de 200 mil euros a António Filipe Pimentel, o Museu Nacional de Arte Antiga ultrapassou a fasquia dos 400 mil euros de um total de 600 mil que precisa para garantir a compra do quadro a A Adoração dos Reis Magos, de Domingos Sequeira. Este foi, até agora, o maior contributo de uma só entidade no âmbito da campanha de crowd-funding "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo" lançada a 27 de outubro pela instituição e surge numa altura em que falta mês e meio para o seu fim, a 30 de abril.

Razão mais do que suficiente para, com os Painéis de São Vicente como pano de fundo, o facto fosse assinalado com pompa e circunstância, contando com a presença de várias personalidades, com destaque, desde logo, para o príncipe Amyn Aga Khan, irmão de Sua Alteza Real o Aga Khan, soberano e líder espiritual da comunidade muçulmana ismaelita.

"Fui informado desta iniciativa por um amigo e imediatamente conversei a respeito da mesma com o meu irmão, Sua Alteza o Aga Khan, e decidimos que a Fundação Aga Khan deveria responder ao apelo de fazer uma contribuição significativa num valor final de 200 mil euros, para ajudar o museu no seu nobre propósito de manter o Sequeira no "lugar certo"", afirmou o príncipe Amyn Aga Khan, em inglês, durante a cerimónia ontem realizada no Museu Nacional de Arte Antiga.

"Uma generosa doação", como referiu o diretor da instituição, que "não caiu do céu", juntou depois o ministro da Cultura, João Soares, também presente que lembrou o seu papel, enquanto presidente da câmara municipal de Lisboa, na rápida aprovação da construção do Centro Ismaili em Lisboa.

Salientando a boa relação entre Portugal e o Imamat Ismaili - "uma instituição de liderança espiritual hereditária atualmente personificada pelo meu irmão", explicou o príncipe Amyn Aga Khan - apelidou a ocasião como "um encontro de bons e velhos amigos". E relembrou os acordos assinados entre Portugal e o Imamat Ismaili ao longo dos últimos dez anos, nomeadamente "o do ano passado para o estabelecimento da sede do Imamat Ismaili em Portugal". Ao abrigo desse acordo, celebrado em junho de 2015, o príncipe Aga Khan terá residência oficial no nosso país e investirá centenas de milhões de euros em investigação científica e cooperação para o desenvolvimento. Para a escolha de Portugal pesou o facto de ter sido o primeiro Estado não muçulmano a assinar acordos com o Imamat Ismaili, primeiro em 2005 e depois em 2009, tendo por base a lei da liberdade religiosa, reconhecendo-lhe um estatuto semelhante ao Vaticano, bem como a boa integração da comunidade.

O príncipe Amyn Aga Khan afirmou ainda ter "a sincera esperança de que a nossa contribuição possa encorajar outros a seguir o exemplo e a responder ao pedido de apoio do museu". Na assistência estava António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial Portuguesa que, questionado pelo DN, disse que "o repto está aceite, agora há que lhe dar uma forma".

E se a 30 de abril não estiverem reunidos os cerca de 180 mil euros que ainda falta, o Ministério da Cultura está disponível para completar a verba? Com um "no fim falamos", João Soares esquivou-se a assumir o compromisso. Mais perentória foi Isabel Botelho Leal, secretária de Estado da Cultura em Viseu: "A campanha de angariação de fundos é do museu."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.