Exposição sobre Galerie Jeanne Jaeger inaugurada hoje no Museu Vieira da Silva

Uma exposição sobre a história da icónica Galeria Jeanne Bucher Jaeger, de Paris, com quase um século de divulgação da obra de artistas, poetas e escritores, vai ser inaugurada hoje, às 18:30, no museu Vieira da Silva, em Lisboa.

Artes e Letras - Edições da Galeria Jeanne Bucher Jaeger é o título desta exposição organizada pela Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, em colaboração com a Galerie Jeanne Bucher Jaeger, que reunirá uma das mais completas mostras de livros de artista do início do século XX.

Nesta exposição, dedicada à atividade editorial da Galerie Jeanne Bucher entre 1925 e 2010, estarão representados artistas com obras originais sobre papel - guache, desenho - como Max Ernst, Louis Marcoussis, Georges Braque, Picasso, Rouault, Matisse, Alfred Manessier, Roger Bissière, Jean Dubuffet e Maria Helena Vieira da Silva, entre outros.

Na obra gráfica e/ou literária, destacam-se ainda os nomes de Jean Hugo, Hans Arp, Tristan Tzara, Joan Miró, Louis Marcoussis, René Char e Stanley Hayter.

Em 1925, Jeanne Bucher (1872-1946) instalou em Paris uma galeria-livraria que se tornou um importante espaço de divulgação de tendências e artistas franceses e estrangeiros, recorda o sítio online da Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva.

Além da organização de exposições, a promoção e a divulgação artísticas foram fomentadas pela Galerie Jeanne Bucher através de uma intensa atividade de edição de catálogos e livros de artistas, iniciada logo em 1925.

A artista portuguesa Maria Helena Vieira da Silva travou conhecimento com Jeanne Bucher em 1932, e desde essa data até à morte da galerista, em 1947, manteve com ela uma forte relação pessoal e profissional.

A exposição estará patente entre hoje e 21 de janeiro de 2018.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".