Exposição que ouve a Ponte 25 de Abril prolongada a pedido do público

A exposição com uma instalação sonora que o artista Bill Fontana criou sobre a Ponte 25 de Abril, em Lisboa, recebeu 68 mil visitantes e será prolongada até 26 de fevereiro, anunciou hoje o Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.

A peça "Shadow Soundings", encomendada para instalar na Galeria Oval, para assinalar um ano de aniversário do novo museu, em outubro do ano passado, foi criada a partir dos sons e vibrações da Ponte 25 de Abril e do rio Tejo.

De acordo com o Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), devido à grande afluência de público, em vez de terminar a 19 de fevereiro, como estava previsto, a exposição estará na Galeria Oval até 26 de fevereiro, e permanecerá depois no acervo do museu, por doação do artista.

Após esta data, "a instalação imersiva de som e vídeo da emblemática Ponte 25 de Abril, realizada pelo grande pioneiro em experiências com som, integrará a Coleção de Arte Fundação EDP, numa generosa doação de Bill Fontana", indica o MAAT em comunicado.

Bill Fontana, 70 anos, nascido em Cleveland, nos Estados Unidos, tornou-se conhecido internacionalmente pelo trabalho pioneiro e experimental na área da arte sonora.

Para esta obra, que tem curadoria de Pedro Gadanho, diretor do MAAT, o artista captou as sonoridades da ponte 25 de Abril e de áreas circundantes --- familiares aos habitantes da cidade --- e amplificou-as, conferindo-lhes musicalidade.

Bill Fontana expos anteriormente no Whitney Museum of American Art, no San Francisco Museum of Modern Art, na Art Gallery of New South Wales, em Sydney, entre outras instituições.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.