Exposição de projetos de Eduardo Souto Moura patente em Maputo

A exposição "Oscilações", que junto mais de trinta projetos do arquiteto português Eduardo Souto Moura, estará patente, a partir de quinta-feira, no Camões - Centro Cultural Português em Maputo, anunciou hoje a instituição.

A exposição, com curadoria do arquiteto Jorge Figueira, assinala o encontro com um território e uma cidade que tem uma importância quase mítica para a arquitetura portuguesa e para um dos arquitetos mais relevante da arquitetura contemporânea que é Eduardo Souto de Moura, refere o Camões - Instituto da Cooperação e da Língua.

Na nota divulgada, Jorge Figueira considera que é um privilégio apresentar Eduardo Souto de Moura a Moçambique, no Camões - Centro Cultural Português, salientando que a exposição é uma oportunidade de tomar contacto com a realidade de Maputo e de aprenderem com as transformações e desafios que estão a ocorrer.

A exposição Oscilações apresenta, de forma retrospetiva, uma leitura da obra de Eduardo Souto de Moura mediante um conjunto de projetos e obras agrupadas em sete temas: casas, torres, infraestruturas, concursos, instalações, espaços culturais e reabilitações.

Segundo o curador da exposição, "os projetos expostos em Oscilações permitem perceber a heterogeneidade programática e de escalas da obra de Souto de Moura, mas também a diversidade de abordagens que foi desenvolvendo ao longo de décadas de trabalho, numa leitura sintética e panorâmica. A diferente proposta gráfica de cada painel visa acentuar essas qualidades e celebrá-las".

Poderá ser vista nesta exposição a maqueta do Estádio de Braga, maior obra do arquiteto, bem como mais de trinta projetos, entre eles por exemplo, duas casas em Ponte de Lima.

O arquiteto Eduardo Souto de Moura e o curador Jorge Figueira estarão presentes na inauguração da exposição e participarão numa conversa que se realizará no Centro Cultural Português em Maputo, na sexta-feira.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.