Vencedora e PM de Israel anunciam que Jerusalém acolhe edição de 2019

A vencedora da 63.ª edição do Festival Eurovisão da Canção, a israelita Netta, disse hoje que em 2019 o concurso será em Jerusalém, algo que o primeiro-ministro do país também afirmou, embora a organização não confirma.

"Para o ano em Jerusalém", afirmou Netta no palco da Altice Arena, em Lisboa, momentos depois de se ter sagrado vencedora do concurso.

Entretanto, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, através da sua conta oficial na rede social 'Twitter', disse o mesmo. "Em Jerusalém, hoje, houve uma série de notícias que vão fortalecer a cidade. Parabéns, Jerusalém. A Eurovision chega a Jerusalém e abre a embaixada dos EUA", lê-se numa publicação partilhada pouco depois das 00:00 de hoje, acompanhada de um vídeo com a consagração de Netta.

Hoje, à entrada para um reunião do Governo, Netanyahu fez um dos gestos da coreografia de Netta, imitando uma galinha:

Também o presidente da Câmara de Jerusalém reagiu à vitória, segundo o jornal The Times of Israel, dizendo que a ciade "vai dar toda a ajuda necessária para pôr de pé a Eurovisão 2019 na capital de Israel e mostrar a beleza de Jerusalém a todo o mundo",

No entanto, no final da conferência de imprensa com a vencedora, o supervisor executivo do Festival Eurovisão da Canção, Jon Ola Sand, disse que ainda "não foi definida cidade nem data". "Vamos a Israel em breve para discutir a próxima edição. Divirtam-se que em breve começa o trabalho a sério", afirmou, dirigindo-se ao chefe de delegação de Israel, a quem entregou uma "'pasta de boas-vindas' com informação inicial".

Israel venceu no sábado à noite a 63. ª edição do concurso, com a cantora Netta e o tema "Toy", sendo por isso o país anfitrião da próxima edição.

Israel acolheu o Festival Eurovisão da Canção em 1979 e em 1999, por ter vencido nos anos anteriores, respetivamente com Ah-Bah-Nee-Ne, canção interpretada por Cohen & Alphabeta, e Diva, por Dana International. Em ambas as vezes, o espetáculo realizou-se em Jerusalém.

Em 1980, embora tenha vencido em 1979 com Halleluyah, canção interpretada por Milk and Honey, o país declinou a oportunidade de organizar o concurso pela segunda vez seguida, por não ter condições de financiar o espetáculo em dois anos consecutivos, acabando por passar para a Holanda.

Os israelitas comemoram na segunda-feira 70 anos do nascimento do Estado de Israel, proclamado em 14 de maio de 1948, pelo presidente do Conselho nacional judaico, David Ben Gourion, na sequência do fim do mandato britânico na Palestina.

Sete décadas depois, o Estado judaico celebra a sua fundação com um novo alento, enquanto permanecem bloqueadas as conversações de paz internacionais para um acordo global e que deveriam implicar uma solução de dois Estados, judeu e palestiniano, que conviveriam lado a lado e com capital cada um numa das duas partes de Jerusalém.

No final de dezembro, os Estados Unidos do Presidente Donald Trump, principal aliado de Isarel, decidiram reconhecer Jerusalém como capital indissolúvel do Estado hebraico, originando fortes protestos entre os palestinianos e a reprovação internacional. A transferência da embaixada norte-americana de Telavive para a "cidade eterna" está prevista para amanhã,14 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."