Irlanda foi o país que venceu mais vezes, há 21 países que nunca ganharam

Já se realizaram 62 edições do festival. Entre os vencedores estão Abba, Céline Dion e Sandie Shaw. A Suécia ganhou seis vezes a Eurovisão.

Portugal venceu uma única vez a Eurovisão, no ano passado, com o tema Amar Pelos Dois, interpretado por Salvador Sobral e escrito pela sua irmã, Luísa Sobral.

Até então, a melhor classificação pertencia a Lúcia Moniz, que em 1996, com a canção O Meu Coração Não Tem Cor, alcançou o 6.º lugar.

A Irlanda é a recordista de vitórias, com triunfos em 1970, 1980, 1987, 1992, 1993, 1994 e 1996. A primeira destas sete vitórias foi conseguida por Dana com a canção All Kinds of Everything:

O maestro Noel Kelehan conduziu a orquestra em cinco das sete vitórias do seu país, a Irlanda. A presença de uma orquestra em palco foi obrigatória até 1998.

A Suécia venceu seis vezes (1974, 1984, 1991, 1999, 2012 e 2015). Mas o tema sueco mais conhecido é, sem dúvida, o vencedor de 1974: Waterloo, pelos Abba:

Na lista de vencedores seguem-se França, Luxemburgo e Reino Unido, com cinco troféus cada, e a Holanda, com quatro.

O Reino Unido é o país que ocupou mais vezes o segundo lugar, em 15 ocasiões. A última vez que o Reino Unido ganhou um festival da Eurovisão foi em 1997 quando o Katrina and the Waves (o grupo que ficou conhecido nos anos 80 com temas como Walking on Sunshine) cantaram Love Shin a Light:

Mas a canção do Reino Unido que todos recordam será, sem dúvida, Puppet on a String, que Sandie Shaw interpretou descalça e com a qual ganhou o concurso em 1967:

Sem vitórias no certame estão 21 países, embora alguns tenham participado menos de duas vezes, como Marrocos (uma participação), e a Sérvia e Montenegro, com duas participações antes da divisão em dois estados independentes.

Apesar de já se terem realizado 62 edições do Festival da Eurovisão, há 65 vencedores, uma vez que em 1969 quatro países terminaram empatados no topo da classificação (Reino Unido, Espanha, França e Holanda), não havendo, na altura, qualquer regra de desempate. Esta era a canção espanhola, Vivo cantando, por Salome:

Por oposição, a Noruega já ficou 11 vezes no fundo da classificação (1963, 1969, 1974, 1976, 1978, 1981, 1990, 1997, 2001, 2004 e na final de 2012), apesar de também já ter ganho por três vezes (1985, 1995 e 2009).

O irlandês Johnny Logan venceu duas vezes como intérprete, o único repetente até à data (1980 e 1987), e uma como compositor. Este foi o tema que interpretou em 1980, What's Another Year:

Para além dos Abba, poucos foram os vencedores da Eurovisão que conseguiram ter uma carreira internacional de grande sucesso. Uma das exceções é Céline Dion, que conseguiu a vitória para a Suíça em 1988, com Ne Partez Pas Sans Moi:

O maior número de espetadores a assistir ao vivo à final registou-se em 2001, quando cerca de 38 mil pessoas marcaram presença no Estádio Parken, em Copenhaga, para assistir à primeira vitória da Estónia no certame. Tanel Padar e Dave Benton cantaram em inglês o tema Everybody:

Em relação aos melhores resultados obtidos em ano de estreia, a Sérvia venceu em 2007. Dois países obtiveram ainda um segundo lugar na primeira participação na Eurovisão: Sérvia e Montenegro, em 2004, e Polónia, em 1994.

Em 2015, o Festival Eurovisão da Canção foi reconhecido pelo Livro de Recordes 'Guinness' como o mais longo programa anual de competição de música.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.