Eurovisão. Dia 1. Artistas começam a desvendar o espetáculo

Os artistas começaram este domingo os ensaios para os espetáculos da Eurovisão. Aisel, a cantora do Azerbaijão, deu o pontapé de saída no palco da Altice Arena. E a primeira a encontrar jornalistas e eurofãs.

Aisel vai usar o branco total na sua canção, X My Heart, com a qual concorre à Eurovisão representando o Azerbaijão. O primeiro ensaio de todos foi dela. A cantora estreou o palco e será a primeira a subir ao palco no dia 8 de maio, dia da primeira semifinal.

"Ficámos surpreendidos, para ser honesta, porque as pessoas estão à espera e nós vamos abrir este grande espetáculo", respondi a cantora, já na conferência de imprensa, aos jornalistas. É preciso dizer, neste ponto, que se sorteia o dia da semifinal, mas também se a atuação acontece na primeira ou na segunda parte do programa. O Azerbaijão ficou na primeira parte e foi a organização da Eurovisão que decidiu que seria Aisel, 29 anos, com formação de piano clássico, como a mãe, a fazê-lo.

"São muitas emoções. Nervos, entusiasmo, mas boas. Estou a tentar pôr as emoções no sítio certo", disse Aisel.

O vestido branco, as luzes, o cenário imitando montanhas geraram curiosidade entre os bloggers da Eurovisão. A artista passou o microfone ao figurinista que trabalha com a delegação do Azerbaijão na Eurovisão. "Esteticamente minimal e mais dramático", disse.

X My Heart é uma canção pop, gravada em Londres com o mesmo produtor que já trabalho com os Onde Direction ou Ellie Goulding. "É uma canção sobre toda a gente, e claro que estou a pensar em alguém. Mas não posso dizer-lhe", disse a cantora. "É uma canção com uma mensagem positiva".

Pelo palco passou a Islândia, Albânia, Bélgica, República Checa e, neste momento, é a vez da cantora lituana experimentar pela primeira vez o palco.

Durante a tarde, ainda vai ser possível ver pelo ecrã, as atuações de Estónia, Bielorrússia, Israel e Bulgária, estes últimos à frentes nas bolsas de apostas.

A cantora belga, Sennek, prepara-se para responder agora às perguntas dos jornalistas. "A minha missão é ter classe", admite a artista, que quis trazer uma vibração Bond para a canção.

"Não é apenas Bond, mas tem uma vibração trip hop. É essa a inspiração", explica a cantora, autora da canção, que tem participado em espetáculos com canções de Bond (e elege Pierce Brosnan como o seu 007 preferido).

A Bélgica está também entre as 10 mais bem cotadas para a vitória no Eurovision World.

"Matter of Time" é o título da canção. "Tudo é temporário", diz a artista sobre a composição que traz à Eurovisão. "Porque não vamos ao contrário da corrente?, pergunto na canção", lembra a cantora, admitindo que quer ir um pouco contra a maré na Eurovisão. "Quero ser honesta comigo mesma".

"Não quero ser a próxima Kylie Minogue, quero ser eu própria", sublinhou durante a conferência de imprensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.