Europa Nostra distingue Museu em Santarém e Gerês

O Museu Diocesano de Santarém e o projeto de Desenvolvimento Sustentável do Planalto da Mourela no Parque Nacional da Peneda-Gerês foram distinguidos com prémios da organização Europa Nostra.

Os prémios Europa Nostra, destinados a distinguir projetos na área do património, distingue 28 projetos de 16 países "pelos seus contributos exemplares" em quatro categorias: Conservação, Investigação, Serviço Dedicado ao Património e Educação, Formação e Sensibilização. Os vencedores recebem 10 mil euros.

O Museu Diocesano de Santarém, inaugurado a 12 de setembro de 2014, foi distinguido na categoria de Conservação. A mesma obra já tinha recebido o prémio Vasco Vilalva, entregue pela Fundação Calouste Gulbenkian.

"A grande qualidade desta complexa conservação, quer da arte quer da arquitetura, é uma realização impressionante, especialmente quando consideramos o volume de trabalho desenvolvido", considerou o júri em comunicado.

Museu de Arte Sacra construído a partir do património da diocese de Santarém que já não estava ao culto, o edifício recuperado já foi seminário, colégio dos jesuítas e paço real. A obra custou cerca de 2,5 milhões de euros, com recurso a financiamento do QREN (Quadro de Referência Estratégica Nacional), da Diocese e da Direção Geral do Património Cultural -- 80%, 10% e 10% foi a proporção em que cada uma das entidades participou na conversão em museu. Este é um dos projetos no âmbito da Rota das Catedrais.

"A conservação das pinturas, esculturas, objetos eclesiásticos e arquitetura foi realizada eficientemente e com grande atenção aos detalhes pelos conservadores. Existe uma harmonia na combinação de sucesso entre esses diferentes elementos, sendo o resultado subtil mas impressionante. Este trabalho ambicioso é um excelente modelo para a ampla rede de Catedrais em Portugal", afirmou o júri na apreciação final do Museu Diocesano de Santarém, um dos 12 projetos distinguidos pela Europa Nostra.

Entre os projetos que mereceram a distinção dos jurados do prémio estão a conversão da Destilaria De Hoorn em pólo criativo, na Bélgica, uma igreja bizantina e uma azenha tradicional, ambos na Grécia, a recuperação do Hospital Francês, na Islândia, os Banhos Diocletianos, em Roma, O museu Oud Amelisweerd em Utrecht e o Fort Kijkuit, na Holanda, o Caminito del Rey, na aldeia de El Chorro, em Málaga e Seis igrejas em Múrcia, em Espanha, e uma antiga fábrica de lanifícios em Moray e uma torre gótica, no Reino Unido,

Planalto da Mourela, na Peneda-Gerês também foi distinguido

Originalidade e criatividade do projeto são os factores apontados ao projeto de Desenvolvimento Sustentável do Planalto da Mourela, no Parque Nacional da Peneda-Gerês para justificar a distinção na categoria de Educação.

"O foco deste fascinante projeto está na paisagem cultural desta região e em como as atividades humanas moldaram o ambiente natural. A equipa do projeto contribui para a criação de condições de sustentabilidade neste território específico do Parque Nacional, bem como para a proteção de uma parte inestimável da herança do património europeu", destacou o júri.

O projeto em causa orientou os agricultores e pastores locais para a manutenção de uma agricultura baseada em técnicas tradicionais e nos métodos ancestrais do maneio de gado comunitário.

"Este projeto visa incentivar as pessoas a viver nestas zonas rurais remotas sendo uma condição essencial para manter a preservação e a conservação da paisagem. A importância do repovoamento do território é enfatizada e o foco está centrado na revitalização dos conhecimentos tradicionais e no desenvolvimento de competências para ajudar a alcançar a preservação deste espólio rural", observou o júri no seu texto final.

Com este projeto nasceu também o Centro de Interpretação do Planalto da Mourela, que apoia o Parque Nacional. Foram criados cinco trilhos pedestres nesta zona para os visitantes, desenvolvendo o ecoturismo. Nas suas conclusões, a Europa Nostra salienta ainda que este é um caso exemplar de "preservação tangível e intangível da proteção ambiental na área do Parque Nacional da Peneda-Gerês". Este é um dos oito projetos distinguidos na Categoria de Educação, Formação e Sensibilização.

Esta categoria chamou a atenção para projetos tão distintos como a sensibilização de crianças para a II Guerra Mundial, em Roeselare, na Bélgica, "Star in School", em Karlocav, Croácia, o "Adopt a Monument", em Tampere, Finlândia, aoptar e promover o património da dança, em Berlim, o pequeno Museu de Dublin, na Irlanda, Cicerones aprendizes, em Milão, Itália, Escoas do património, no Reino Unido.

Júri analisou cerca de 200 projetos

O júri analisou 187 candidaturas de organizações e entidades espalhadas por 36 países da Europa e estão agora abertas as votações para escolher o Prémio do Público, de acordo com o comunicado do Centro Nacional de Cultura, instituição que em Portugal representa a Europa Nostra.

O Comissário Europeu para a Educação, Cultura, Juventude e Desporto, salientou o trabalho dos vencedores: "Graças ao seu talento e empenhamento, inúmeros tesouros do património cultural europeu foram salvaguardados e recuperados para usufruto das gerações presentes e futuras. Estes projetos funcionam como um instrumento de sensibilização para a importância do património cultural enquanto recurso estratégico para a sociedade e para a economia da Europa". Na mesma nota Tibor Navracsics, acrescenta ainda que "o património cultural une as pessoas, constrói pontes entre o passado, o presente e o futuro. Ao mesmo tempo, gera crescimento económico e promove o desenvolvimento sustentável, a participação social e a inclusão - que hoje é mais vital do que nunca. É por isso que apoiamos este esquema de Prémios e outros projetos do património através do programa Europa Criativa e assim continuaremos a fazê-lo".

A Europa Nostra, fundada em 1963, é uma organização pan-europeia de organizações não-governamentais, apoiada por entidades públicas e privadas, empresas e indivíduos. Está presente em 40 países e tem como objetivo a salvaguarda e promoção do património cultural e natural da Europa. O tenor Placido Domingo é presidente da organização. "Todas estas iniciativas premiadas provam a importância do património para a Europa e seus cidadãos. O património cultural promove o desenvolvimento económico sustentável e é uma força de coesão nas nossas sociedades multiculturais", afirmou o cantor de ópera no comunicado que divulga os vencedores.

A cerimónia de entrega dos prémios está marcada para a noite de 24 de maio no Teatro da Zarzuela, em Madrid. Cada um dos 28 projetos distinguidos pela Europa Nostra, recebe 10 mil euros. Estes finalistas candidatam-se ao prémio do público, cuja votação decorre online.

No dia da entrega dos prémios, os vencedores mostram os seus projetos na Feira da Excelência na sede do Colégio dos Arquitectos de Madrid e participam no Congresso do Património Cultural, entre 22 e 27 de maio.


(Notícia atualizada às 12.45)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.