Estes são os vencedores do World Press Cartoon 2018

Exposição das obras selecionadas fica até 28 de junho no Centro Cultural das Caldas da Rainha.

A italiana Marilena Nardi é a vencedora do Grande Prémio da edição deste ano World Press Cartoon com uma ilustração que representa uma tesoura que "corta" as palavras que dizemos, referindo-se, obviamente, às limitações à liberdade de expressão. Em dezembro do ano passado, a ilustração foi capa do Illegal Times, uma publicação catalã gratuita de sátira.

O Brasil voltou este ano a liderar os prémios do World Press Cartoon, cujos vencedores foram anunciados nesta noite de no sábado, nas Caldas da Rainha. Entre os nove cartoonistas premiados, estão dois do Brasil e os restantes são da Holanda, Bélgica, Noruega, Sérvia, Turquia, Índia e Itália. Os cartoonistas escolheram como alvo-preferencial os líderes mundiais dos maiores países, Donald Trump, Vladimir Putin e Kim Jong-Un.

À edição de 2018, concorreram mais de 600 trabalhos e, destes, foram selecionados 281, que vão ficar, até 28 de junho, em exposição no Centro Cultural das Caldas da Rainha. A entrada é livre.

Esta é a lista completa de premiados:

Na categoria de Cartoon Editorial:

1º Prémio - Nardi da Itália

2º Prémio - Cau Gomez do Brasil

3º Prémio - Hicabi Demirci da Turquia

Na categoria de Desenho de Humor:

1º Prémio - Ub! da Sérvia

2º Prémio - Mello do Brasil

3º Prémio - FadiToon da Noruega

Na categoria de Caricatura:

1º Prémio - O-Sekoer da Bélgica

2º Prémio - Endyk da Holanda

3º Prémio - Thomas Antony da Índia

O World Press Cartoon realiza-se nas Caldas da Rainha desde 2017, ano em que a iniciativa foi relançada, depois de não acontecer em 2016, por falta de patrocínios.

"A grande novidade deste ano foi o facto de o WPC ter aberto a participação a cartoonistas com desenhos na Internet, e isso vai aumentar o número de trabalhos concorrentes, o que ainda não se verificou este ano, porque abrimos o concurso tarde", explicou à agência Lusa o cartoonista António Antunes, organizador do World Press Cartoon (WPC).

Para já, foram selecionados 281 caricaturas, cartoons editoriais e desenhos de humor que fazem a história de todo um ano, olhares de diferentes culturas, obras em que os cartoonistas retratam e criticam o andar do mundo "com a acutilância do sorriso", explica a organização. Estão representados 227 publicações de 54 países.

Os premiados foram selecionados por um júri internacional de cartoonistas que reuniu nas Caldas da Rainha em Fevereiro e que integrou, para além do director do salão, o português António Antunes, Rayma Suprani, da Venezuela, Michael Kountouris, da Grécia, Robert Rousso, da França, e Saad Hajo, da Suécia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.