Este letão fotografou os 450 habitantes de uma aldeia

Maris Maskalans faz documentários com animais, mas interessou-se por uma pequena aldeia do seu país, a Letónia, na fronteira com a Rússia. Quis fotografar todos os seus habitantes. Demorou três anos.

Na Letónia, país de onde vem, Maris Maskalans é conhecido como cineasta e foi como operador de câmara, enquanto fazia um documentário sobre a aldeia de Nagli, que descobriu, há 20 anos, este local junto à fronteira russa. Um sítio pequeno e rural, com apenas 500 pessoas, que em 2008 decidiu retratar para a posteridade.

O projeto durou três anos e o artista conseguiu fotografar 450. Começou na única loja da aldeia, por achar que todos iriam lá. E quando esta ideia se esgotou e não tinha afinal toda a gente, passou para a igreja. Finalmente, foi de casa em casa, batendo de porta em porta. O último passo para convencer os habitantes foi quando começou a distribuir as fotos que ia tirando, e que resultaram numa exposição em Nagli, e até 17 de julho na Real Academia de Belas Artes de São Fernando, em Madrid, no âmbito do festival de fotografia e artes visuais PHotoEspaña, para o qual foram selecionadas cerca de 65 imagens do total do projeto de Maris Maskalans, realizado em parceria com a embaixada da Letónia.

"Foi muito emocional", conta o fotógrafo, explicando o momento em que os habitantes viram as imagens que tinha captado. Algumas já tinham morrido quando as mostrou aos habitantes de Nagli. "Uma senhora olhava a foto e chorava e, apesar de ser muito pobre, dizia que queria comprar a fotografia", explica, com recurso a um tradutor, apontando a imagem de um homem.

Cada fotografia tem a sua história. O fotógrafo chama a atenção para outra imagem: uma senhora com uma muleta. Explica que ela não tem uma perna. "Quando apareceu na exposição, o chão estava escorregadio. Então, ela largou as muletas e percorreu a sala de joelhos para ver a exposição".

Maris Maskalans acredita que o seu projeto terá valor documental para os antropólogos dentro de 100 anos. Foi feito na Letónia, mas podia ter sido feita em Espanha ou em França há 100 anos. "A curiosidade é também ver que a Europa é muito diversa. As pessoas vivem como uma família. Esta é uma aldeia que vai desaparecer como muitas outras, mesmo aqui em Espanha". Procura seguir uma máxima que ouviu dos habitantes de Nagli: "As coisas que preservamos são as que amamos, aquelas que amamos são as que conhecemos e só as conhecemos as que aprofundamos".

Para as fotos escolheu "um fundo neutral para tirar o tempo e o espaço", refere o tradutor, em seu nome. Usou luz natural e refletores. Ao princípio usava um rolo por pessoa, depois ficando com menos energia e "usava um rolo para cada duas ou três pessoas".

Diz que não orientou as poses dos seus modelos. "Trabalho com animais e aos animais não lhes posso pedir para fazerem esta ou aquela pose...", diz Maris Maskalans, cineasta e ornitólogo, nascido em 1971, em jeito de explicação.

O processo, explica, começou sem "uma ideia visual". "Estava a brincar à procura de algumas coisas", diz. E, por isso, existem grandes planos e planos fechados. Grupos e pessoas e pessoas solitárias. Ficaram de fora 50 pessoas. "As que não quiseram ou que não consegui", justifica. Há retratos de família, pessoas mais velhas, mais novas, um professor de música com casaco de couro, um miúdo a fumar e um homem em tronco imitando a pose de Popeye. "Foi ele que quis ser fotografado assim. Quando lhe pedi para tirar uma fotografia, perguntou se podia tirar a camisola e mostrar os músculos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.