Estado compra obra do pintor António Soares por 6500 euros

"Entre Ato de Ballet" foi adquirido em leilão na sexta-feira e irá para o Museu do Teatro e da Dança.

A pintura "Entre Ato de Ballet", de António Soares (1894-1978) foi adquirida pela Direção-geral do Património Cultural (DGPC) para integrar a coleção do Museu Nacional do Teatro e da Dança, em Lisboa, foi hoje anunciado.

Esta tela em óleo sobre cartão tem como tema central a dança e o palco, neste caso o ballet propriamente dito, com personagens inspiradas na Commedia Dell'arte, indica um comunicado da DGPC.

Entre Ato de Ballet foi adquirida por 6 500 euros num leilão realizado pela leiloeira Renascimento Avaliações e Leilões, na sexta-feira, 16 de outubro.

A DGPC justifica a aquisição pela importância do pintor António Soares na História das Artes Plásticas em Portugal no século XX, sobretudo na corrente do modernismo.

É "da maior relevância a aquisição de obras suas que passem a integrar as coleções nacionais e o nosso património artístico", sustenta aquele organismo, acrescentando que o pintor já se encontra representado no Museu Nacional do Teatro e da Dança com desenhos originais para maquetas de cenário, e figurinos ou com outros trabalhos dedicados ao teatro e à dança.

Todavia, a DGPC refere que nenhuma daquelas obras tem "as características e a singularidade do agora adquirido" quadro Entre Ato de Ballet.

O Museu Nacional do Teatro e da Dança considera que a aquisição é "uma oportunidade única de poder apresentar em contexto expositivo/museográfico um trabalho absolutamente singular deste autor, que complementa com grande pertinência e perspetiva critica e historiográfica o conhecimento e visibilidade da sua obra".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.