Estado compra obra do pintor António Soares por 6500 euros

"Entre Ato de Ballet" foi adquirido em leilão na sexta-feira e irá para o Museu do Teatro e da Dança.

A pintura "Entre Ato de Ballet", de António Soares (1894-1978) foi adquirida pela Direção-geral do Património Cultural (DGPC) para integrar a coleção do Museu Nacional do Teatro e da Dança, em Lisboa, foi hoje anunciado.

Esta tela em óleo sobre cartão tem como tema central a dança e o palco, neste caso o ballet propriamente dito, com personagens inspiradas na Commedia Dell'arte, indica um comunicado da DGPC.

Entre Ato de Ballet foi adquirida por 6 500 euros num leilão realizado pela leiloeira Renascimento Avaliações e Leilões, na sexta-feira, 16 de outubro.

A DGPC justifica a aquisição pela importância do pintor António Soares na História das Artes Plásticas em Portugal no século XX, sobretudo na corrente do modernismo.

É "da maior relevância a aquisição de obras suas que passem a integrar as coleções nacionais e o nosso património artístico", sustenta aquele organismo, acrescentando que o pintor já se encontra representado no Museu Nacional do Teatro e da Dança com desenhos originais para maquetas de cenário, e figurinos ou com outros trabalhos dedicados ao teatro e à dança.

Todavia, a DGPC refere que nenhuma daquelas obras tem "as características e a singularidade do agora adquirido" quadro Entre Ato de Ballet.

O Museu Nacional do Teatro e da Dança considera que a aquisição é "uma oportunidade única de poder apresentar em contexto expositivo/museográfico um trabalho absolutamente singular deste autor, que complementa com grande pertinência e perspetiva critica e historiográfica o conhecimento e visibilidade da sua obra".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.