"Está uma tarde gostosa" para ver Língua Franca e Sara Tavares

Projeto português e brasileiro reuniu-se no palco da música portuguesa no Rock in Rio este domingo. Bruno Mars é o nome mais esperado

Faltou Valete, veio Sara Tavares juntar-se a Capicua, Rael e Emicida no palco do Music Valley, aquele que o Rock in Rio destinou aos artistas portugueses. Depois do rap, veio HMB.

Este domingo, dia 24, é o segundo dia de ação no Parque da Belavista. Também o mais esperado, com Bruno Mars como cabeça-de-cartaz e Demi Lovato, Anitta e Agir a aquecerem os motores no palco mundo. As entradas esgotaram em abril e hão de passar pelo recinto 100 mil pessoas, incluindo as 8 mil que estão a trabalhar.

No Music Valley, um grupo cada vez maior de pessoas foi-se aproximando de Língua Franca.

Capicua pediu barulho, houve barulho. Pediu braços no ar e eles apareceram. Cantou de um fôlego Maria Capaz e Vayorken, antes de dar o protagonismo a Sara Tavares. "Uma artista que muito nos inspira", disseram eles, acompanhantes de luxo da canção Afrodite. Na bateria, Fred Ferreira, produtor do projeto (com Kassin e Nave). Valete não esteve nem foi mencionado.

O Rock in Rio foi uma dessas ocasiões raras para ouvir ao vivo um projeto que une o Atlântico, objetivo nem sempre fácil de cumprir. Língua Franca nasceu de uma residência artística que juntou brasileiros e portugueses e foi gravado entre Lisboa e São Paulo.

"Uma tarde muito gostosa", segundo Emicida. Ninguém o contrariou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?