Valquíria de Joana Vasconcelos na emblemática mostra de verão da Royal Academy

Uma escultura têxtil de Joana Vasconcelos vai receber os visitantes da emblemática Exposição de Verão da Royal Academy of Arts, em Londres, ao mesmo tempo que decorre uma exposição individual da artista portuguesa em Oxford

Royal Valkyrie, obra de grande dimensão da série Valquírias, apresentada pela primeira vez no Palácio de Versalhes, em 2012, fará parte da emblemática exposição de verão da Royal Academy of Arts, em Londres, que celebra este ano o 250.º aniversário.

A exposição realiza-se anualmente desde 1769, ininterruptamente, tendo atravessado as duas guerras mundiais. Em 1917 uma bomba alemã cairia mesmo numa das galerias da Royal Academy durante a exposição de verão.

Este ano a mostra tem curadoria de Grayson Perry, que reuniu cerca de 1300 obras de arte de artistas conhecidos e de talentos emergentes, em áreas como pintura, fotografia ou escultura. No exterior estará uma grande escultura de Anish Kapoor e, no interior, estarão trabalhos dos britânicos David Hockney, Mike Nelson, Tracey Emin e Rose Wylie, ao lado de outros como os americanos Bruce Nauman e Ed Ruscha, a palestiniana Mona Hatoum e o dinamarquês Tal R.

A peça de Joana Vasconcelos, composta por elementos de crochê de lã feito à mão, apliques de feltro, tecidos, ornamentos e de uma parte insuflável, faz parte da coleção da artista.

A Exposição de Verão da Royal Academy estará aberta de 12 de junho a 19 de agosto, em simultâneo com uma outra exposição de Joana Vasconcelos em Oxford, no espaço Albion Barn, galeria do negociante de arte Michael Hue-Williams.

Esta engloba trabalhos recentes de diversas áreas, desde peças de cerâmica e de têxteis a séries Rafael Bordallo Pinheiro e Pinturas em Crochê.

Também no Reino Unido, mas na Escócia, estão em exposição, até 30 de setembro, várias obras da artista portuguesa, no interior e exterior do espaço da Fundação Jupiter Artland onde em julho vai inaugurar um trabalho original e permanente - uma piscina de nove metros de comprimento decorada por azulejos portugueses pintados à mão.

Joana Vasconcelos vai abrir em 29 de junho no Museu Guggenheim Bilbao uma grande exposição com 14 peças novas, entre as quais um anel solitário, com três toneladas, feito com jantes de carros e copos de cristal.

I'm your mirror, que estará patente de 29 de junho a 11 de novembro, na cidade espanhola, será composta por cerca de 35 obras, 14 das quais novas, incluindo uma máscara veneziana, feita com 231 molduras de duplo espelho e que tem um peso aproximado de 2,5 toneladas e um solitário, com 112 jantes de carro e 1.324 copos de cristal, que pesa cerca de três toneladas, revelou na altura a artista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.