Valquíria de Joana Vasconcelos na emblemática mostra de verão da Royal Academy

Uma escultura têxtil de Joana Vasconcelos vai receber os visitantes da emblemática Exposição de Verão da Royal Academy of Arts, em Londres, ao mesmo tempo que decorre uma exposição individual da artista portuguesa em Oxford

Royal Valkyrie, obra de grande dimensão da série Valquírias, apresentada pela primeira vez no Palácio de Versalhes, em 2012, fará parte da emblemática exposição de verão da Royal Academy of Arts, em Londres, que celebra este ano o 250.º aniversário.

A exposição realiza-se anualmente desde 1769, ininterruptamente, tendo atravessado as duas guerras mundiais. Em 1917 uma bomba alemã cairia mesmo numa das galerias da Royal Academy durante a exposição de verão.

Este ano a mostra tem curadoria de Grayson Perry, que reuniu cerca de 1300 obras de arte de artistas conhecidos e de talentos emergentes, em áreas como pintura, fotografia ou escultura. No exterior estará uma grande escultura de Anish Kapoor e, no interior, estarão trabalhos dos britânicos David Hockney, Mike Nelson, Tracey Emin e Rose Wylie, ao lado de outros como os americanos Bruce Nauman e Ed Ruscha, a palestiniana Mona Hatoum e o dinamarquês Tal R.

A peça de Joana Vasconcelos, composta por elementos de crochê de lã feito à mão, apliques de feltro, tecidos, ornamentos e de uma parte insuflável, faz parte da coleção da artista.

A Exposição de Verão da Royal Academy estará aberta de 12 de junho a 19 de agosto, em simultâneo com uma outra exposição de Joana Vasconcelos em Oxford, no espaço Albion Barn, galeria do negociante de arte Michael Hue-Williams.

Esta engloba trabalhos recentes de diversas áreas, desde peças de cerâmica e de têxteis a séries Rafael Bordallo Pinheiro e Pinturas em Crochê.

Também no Reino Unido, mas na Escócia, estão em exposição, até 30 de setembro, várias obras da artista portuguesa, no interior e exterior do espaço da Fundação Jupiter Artland onde em julho vai inaugurar um trabalho original e permanente - uma piscina de nove metros de comprimento decorada por azulejos portugueses pintados à mão.

Joana Vasconcelos vai abrir em 29 de junho no Museu Guggenheim Bilbao uma grande exposição com 14 peças novas, entre as quais um anel solitário, com três toneladas, feito com jantes de carros e copos de cristal.

I'm your mirror, que estará patente de 29 de junho a 11 de novembro, na cidade espanhola, será composta por cerca de 35 obras, 14 das quais novas, incluindo uma máscara veneziana, feita com 231 molduras de duplo espelho e que tem um peso aproximado de 2,5 toneladas e um solitário, com 112 jantes de carro e 1.324 copos de cristal, que pesa cerca de três toneladas, revelou na altura a artista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.