Escultura de Rodin arrematada pelo valor recorde de 20,4 milhões de dólares

Obra de 1901 em mármore branco foi vendida na Sotheby's de Nova Iorque.

"A Eterna Primavera", uma escultura em mármore de Auguste Rodin, foi arrematada na noite de segunda-feira por mais de 20 milhões de dólares, um recorde para o artista francês, num leilão de arte da Sotheby's, em Nova Iorque.

A escultura, em mármore branco, foi adjudicada por 20,41 milhões de dólares (19,91 milhões de euros), o dobro das expetativas iniciais, que estimavam o seu valor entre oito e 12 milhões.

"A Eterna Primavera" foi esculpida num único bloco de mármore entre 1901 e 1902. A obra, que mede 80 centímetros de comprimento e 66 de altura e pesa 154 quilogramas, constitui uma variante da escultura em mármore "O Beijo", exposta no Museu Rodin em Paris.

O anterior recorde para uma escultura de Rodin remonta a maio de 2008 (18,97 milhões de dólares).

A Sotheby's iniciou na segunda-feira os leilões de primavera, com obras de Paul Signac, René Magritte, Marc Chagall ou Claude Monet, entre outros.

O leilão de obras de arte moderna e impressionista em Nova Iorque prolonga-se até quinta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.