Escultor e medalhista Helder Batista morre aos 82 anos

O escultor e medalhista Helder Batista faleceu no sábado, aos 82 anos de idade, adiantou hoje a Sociedade Nacional de Belas-Artes.

Em comunicado, a Sociedade Nacional de Belas-Artes dá conta que o corpo de Helder Batista está em câmara ardente na capela mortuária do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e adianta que o funeral realiza-se na segunda-feira, às 11:00, no cemitério do Alto de São João, precedido de uma missa de corpo presente, às 10:30.

Helder Batista nasceu na localidade de Vendas Novas, distrito de Évora, em 1932, tendo sido professor na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, hoje Faculdade, durante 33 anos.

Começou a sua formação académica na Casa Pia de Lisboa, passou depois pela Escola Superior de Belas Artes e começou a expor individualmente em 1968.

É autor de várias peças de arte pública em cidades como Lisboa, Funchal, Oeiras ou Montemor-o-Novo.

Ganhou o grande prémio do Congresso da Federação Internacional de Medalhística, nos Estados Unidos, com a medalha comemorativa dos 50 anos da Igreja Paroquial de Santo António de Moscavide, de 2006, e cunhada a bronze.

Foi membros dos órgãos diretivos da Sociedade Nacional de Belas-Artes durante 15 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.