Escritora francesa Fred Vargas distinguida com Princesa das Astúrias das Letras

Fred Vargas junta-se assim a Vargas Llosa, Leonard Cohen, ou Gunter Grass, galardoados ao longo dos anos

A escritora francesa Fred Vargas foi distinguida hoje em Oviedo (Espanha) com o Prémio Princesa das Astúrias das Letras, por "entender a sociedade como um misterioso e complexo sistema".

O júri do concurso destaca na obra narrativa de Frédérique Audoin-Rouzeau a originalidade do enredo, a profunda carga cultural e a sua enorme imaginação, "que abre ao leitor horizontes literários inéditos".

O Prémio Princesa das Astúrias das Letras foi concedido, em anos anteriores, a personalidades como Mario Vargas Llosa e Rafael Lapesa (1986), Gunter Grass (1999), Amin Maalouf (2010), Leonard Cohen (2011), Richard Ford (2016) ou Adam Zagajewski (2017), entre outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".