Entrar dentro do corpo da cantora

Crítica a "Barbara", de Mathieu Amalric.

Barbara, figura iconoclasta da chanson française morreu há vinte anos, mas a câmara de Mathieu Amalric ressuscita-a num palácio de espelhos feito a meias com a atriz Jeanne Balibar, a antiga mulher do cineasta.

Para além das fórmulas do biopic, Amalric solta algo próximo de uma homenagem. Fá-lo através de um dispositivo de "fantasia de cinema": alguém está a fazer um biopic sobre Barbara e somos convidados para uma rodagem. Ao mesmo tempo, de forma fantasmática, surgem imagens reais, imagens que assombram os mimetismos entre a figura e a atriz que a interpreta (Jeanne Balibar na sua hora mágica!). Como sempre, o cinema de Amalric impressiona pelo seu indomesticável freestyle, mas em Barbara tudo é comandado pela música. Um filme sobre como entrar dentro do corpo de alguém.

Classificação: *** Bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).