Eles vão dar-nos música durante todo o verão

Na próxima semana, NOS Primavera Sound marca o arranque da época dos grandes festivais. Três meses de concertos sem para.

Vai ser um verão bastante atarefado para Hélio Morais, baterista dos Paus e dos Linda Martini, duas bandas presentes em nada mais nada menos do que cinco festivais. Os primeiros vão apresentar-se no Nos Alive e no Bons Sons, enquanto os segundos estarão igualmente presentes neste último, mas também em Paredes de Coura e no Sol da Caparica, obrigando os músicos a uma criteriosa escolha de repertório, pois, como lembra o músico, "o país é pequeno e a probabilidade das mesmas pessoas irem a mais de um festival é bastante alta".

No Alive, por exemplo, onde atuam a 12 de julho, os Paus vão apresentar um espetáculo juntamente com o rapper Holly Hood, com quem vão começar a ensaiar em breve, apesar do alinhamento já há muito estar definido. "Será um espetáculo diferente, no qual vamos reinterpretar alguns temas do Holly Hood à maneira dos Paus e ele vai rimar por cima de algumas das nossas músicas, um pouco a exemplo do que fizemos em março, no Culture Clash", explica Hélio Morais, para quem o fator determinante, na hora de escolher o alinhamento, é o tempo de atuação. "Não se trata apenas de retirar músicas, mas sim fazê-lo de forma a manter o concerto apelativo do princípio ao fim, independentemente da duração", explica.

A presença em tantos festivais também lhe irá permitir dar um salto até ao outro lado do palco, para ver alguns dos músicos que mais admira. "No Alive quero ver At the Drive-In, Bateu Matou, Jack White, Yo la Tengo, Queens of the Stone Age e Portugal, the Man, que são talvez a única banda de quem tenho os vinis todos." Já nos Bons Sons elege como "concertos a não perder" os de Norberto Lobo, Conan Osiris, Luís Severo e Dead Combo, numa lista que continua a aumentar em Paredes de Coura, com os nomes de King Gizzard & The Lizard Wizard, Arcade Fire, Ermo, Surma, The Legendary Tigerman, Fleet Foxes e... And You Will Know Us By the Trail of Dead.

Percebe-se assim melhor a resposta dada por Pedro Gonçalves, dos Dead Combo, quando questionado se existe algum critério para a escolha dos festivais onde se apresentam. "Por norma escolhemos aqueles festivais que gostamos de frequentar como público, essa é a nossa primeira regra", diz com humor o músico que este ano estará com o companheiro Tó Trips no EDP Cool Jazz Fest, no Bons Sons e em Paredes de Coura, onde apresentarão "um espetáculo diferente e único", com a participação do cantor americano Mark Lanegan. Nos restantes, "será o concerto habitual, com uma ou outra alteração que o momento imponha". Já quanto à sua seleção de "concertos obrigatórios", escolhe os de David Byrne no Cool Jazz Fest, Conan Osiris no Bons Sons e Arcade Fire em Paredes de Coura.

Estreias e despedidas

Para Carolina Deslandes este será um verão verdadeiramente "inesquecível", pois representará para a cantora uma estreia em alguns dos mais importantes festivais nacionais, como o são o Rock in Rio, o Marés Vivas ou o Sol da Caparica. "A escolha dos festivais tem muito que ver com o tipo de público para quem se está a cantar. No meu caso, é a primeira vez que vou tocar a festivais mais familiares, porque anteriormente o meu público era bastante mais teen", reconhece a artista, que este ano editou o terceiro álbum de originais, Casa. "Tanto o Rock in Rio como o Marés Vivas têm cartazes muito ecléticos, pensados para todas as idades. Já o Sol da Caparica consegue ano após ano atrair um público cada vez mais jovem, o que é incrível, tendo em conta que se trata de um cartaz exclusivamente composto por artistas lusófonos. Nunca lá toquei, mas já lá fui várias vezes, apenas para ver os concertos. Há um sentimento de orgulho na música portuguesa, que é muito bonito."

O facto de, nos festivais, o tempo dos espetáculos ser bastante mais reduzido, quando comparado com o dos espetáculos em nome próprio, também não a incomoda, muito pelo contrário: "Obriga-me a estar mais focada no essencial, que é prender a atenção do público enquanto estou no palco." Já fora dele, quer aproveitar a ocasião para ver artistas dos quais é fã, como Kodaline ou Bruno Mars, para rever amigos como Agir e Diogo Piçarra e assistir aos espetáculos de gente tão variada como Piruka, Jimmy P, Sara Tavares ou Expensive Soul.

Além do Rock in Rio, onde, no dia 23 de junho, se irá cruzar com Carolina Deslandes, Diogo Piçarra irá também estar presente no Meo Sudoeste, para atuar na última noite do festival, na qual irá partilhar o palco com o canadiano Shawn Mendes. "Já tive a oportunidade de o conhecer pessoalmente e gostava de fazer qualquer coisa com ele, vamos ver se é possível", diz, levantando um pouco o véu sobre as surpresas que preparou para cada um destes concertos. "Cada espetáculo é como uma viagem, que tem de ficar na memória das pessoas. Tem de ser muito bem planeado, não é algo que possa ser decidido à pressa, na mesa de um restaurante", explica.

No Rock in Rio dispõe apenas de uma hora em palco, o que o obrigou "a criar um espetáculo intenso, com uma maior aposta nos singles", mas também "na pirotecnia e nos efeitos visuais" - só bailarinos vão ser doze. Apesar de já ter visto ao vivo a maior parte dos artistas presentes este ano no Rock in Rio, reconhece que "é sempre bom rever" nomes como o Bruno Mars, os Muse ou os Bastille. "Infelizmente, como tenho sempre muitos concertos no verão, nunca consigo ver tudo aquilo que gostaria nos festivais onde toco."

Apesar de apenas atuar no último dia de festival, no sábado, 9 de junho, Luís Severo quer aproveitar a presença no Nos Primavera Sound para assistir, logo na primeira noite, 7, ao concerto da neozelandesa Lorde. "Gostei muito do último disco dela, Melodrama, que é fantástico, pela forma como consegue gerir a palavra dentro daquele universo tão pop, sempre com um lado autoral muito forte", sublinha. Outro concerto que não quer perder é o de Nick Cave and the Bad Seeds, que se apresenta poucas horas depois dele próprio. "É um dos artistas que mais admiro, não há muito mais a dizer, a não ser que é uma honra poder tocar no mesmo festival do que ele", diz Severo, que irá também passar pelo Super Bock Super Rock e pelos Bons Sons, "uma grande festa da música portuguesa". O espetáculo será idêntico em todos estes festivais, onde se irá apresentar em formato de banda. "Trata-se de algo pouco habitual em mim, mas neste caso serve para encerrar o ciclo do disco editado no ano passado. Trata-se de um concerto de despedida", explica o músico, que depois do verão vai começar a gravar um novo trabalho.

No caso de Manel Cruz, a presença no Rock in Rio coincide com o lançamento do primeiro álbum em nome próprio do antigo vocalista dos Ornatos Violeta, agendado para esse mesmo dia 29 de junho. O concerto servirá para apresentar alguns dos novos temas, como o músico confirmou ao DN, reconhecendo que este será "um espetáculo diferente" daquele que costuma apresentar em ambientes mais intimistas. "O silêncio e a atenção que se conseguem num auditório permite outro tipo de abordagem. Os festivais têm sempre aquela veia no pescoço. São, como um dia disse a Regina Guimarães, "as festas de aldeia da cidade"." Além do Rock in Rio, Manel Cruz toca também no Meo Marés Vivas, em Vila Nova de Gaia, a 20 de julho. O processo de escolha dos locais onde atua "tanto pode depender de fatores geográficos como artísticos", muito embora reconheça que "um artista está sempre confinado ao interesse que têm em si. A ideia é tocar sempre muito, mas o mais importante é fazê-lo bem". E quando é convidado a escolher os melhores festivais deste ano, não hesita: "Aqueles em que participo (risos). Para ser franco, quero mesmo é ir de férias com a minha família".

NOS PRIMAVERA SOUND

Parque da Cidade, Porto. 7 a 9 de junho. €55 a €145 (passe)

Apesar do arranque oficial só estar marcado para o dia seguinte, a animação começa logo na noite de quarta-feira, 6, com uma festa de aquecimento a cargo do dj, músico e produtor britânico Fatboyslim, que promete transformar a Avenida dos Aliados, no Porto, numa imensa pista de dança. Depois, como já é tradição, todos os caminhos vão dar ao Parque da Cidade, onde, durante três dias, terá lugar mais uma edição do Nos Primavera Sound. Ao todo, vão ser mais de 60 concertos, distribuídos por seis palcos - uma das novidades deste ano é o novo espaço Primavera Bits, que irá receber uma programação mais eletrónica e tardia. No primeiro dia, quinta. 7, destacam-se os americanos Ezra Furman, Father John Misty e Tyler The Creator, o britânico Jamie XX, os portugueses Fogo Fogo e Moullinex ou a neozelandesa Lorde, que vem apresentar o aclamado último álbum, Melodrama. Já na sexta, 8, sobressaem nomes como os neozelandeses Unknow Mortal Orchestra ou os americanos Grizzly Bear, Shellac e Breeders, num alinhamento predominantemente indie-rock, mas no qual também há espaço para a eletrónica da sueca Fever Ray ou para o hip-hop do rapper americano A$AP Rocky. No último dia, sábado, 9, passam por lá os escoceses Mogwai, os ingleses Public Service Broadcasting, os americanos The War on Drugs ou o português Luís Severo, num naipe de luxo que tem como ás de trunfo o australiano Nick Cave, de regresso ao Parque da cidade com os seus Bad Seeds, onde atuou há cinco anos.

E a seguir:

ROCK IN RIO
Parque da Belavista, Lisboa. 23, 24, 29 e 30 de junho. €69 a €320

EDP COOL JAZZ FEST
Hipódromo Manuel Possolo e Parque Marechal Carmona, Cascais. 11 a 31 de julho. €25 a €30

NOS ALIVE
Passeio Marítimo de Algés, Oeiras. 12 a 14 de julho. €65 a €149

SUPER BOCK SUPER ROCK
Parque das Nações, Lisboa. 19 a 21 de julho. €55 a €155

MEO MARÉS VIVAS
Antiga Seca do Bacalhau, Vila Nova de Gaia. 20 a 22 de julho. €35 a €150

MEO SUDOESTE
Herdade da Casa Branca, São Teotónio, Odemira. 7 a 11 de agosto. €50 a €200

BONS SONS
Aldeia de Cem Soldos, Tomar. 9 a 12 de agosto. €20 a €45

O SOL DA CAPARICA
Parque Urbano da Costa da Caparica, Almada. 16 a 19 de agosto. €17 a €123

VODAFONE PAREDES DE COURA
Praia do Tabuão, Paredes de Coura. 15 a 18 ago. €100

Ler mais

Exclusivos